National Gallery, Londres

Exposition Universelle
Em 1867, milhões de pessoas foram a Paris se maravilhar com a feira mundial, a "Exposition Universelle". Entre elas estava Monet, na época ainda um jovem artista. O evento foi palco das últimas tendências em arte, tecnologia e indústria do mundo inteiro, evidenciando Paris como uma metrópole moderna.

Inspirado pela feira, Monet buscou temas urbanos para pintar.

As paisagens de cidades que ele pintou nesse período mostram um artista atento à vida moderna.

No mesmo ano, Monet pintou a Igreja de Saint Germain l’Auxerrois de uma varanda no Louvre. Em vez de estudar a arte exposta no interior do museu, ele voltou seus olhos para fora, observando as pessoas na praça em frente à igreja.

Suas pinceladas ágeis e as sombras ritmadas das árvores evocam uma sensação de movimento e vitalidade, contrastando com as pedras primordiais da igreja.

A paisagem retratada por Monet não mudou muito desde então, como podemos ver nessa imagem do Street View.

Estação Saint-Lazare
Alguns anos mais tarde, em 1877, Monet pintou dezenas de quadros da Estação Saint-Lazare, no centro de Paris. A intenção de retratar a estação era tamanha, que ele alugou um estúdio nos arredores. Vemos aqui três dessas pinturas, que têm como foco os trens chegando à estação.

Monet escolheu um tema moderno propositalmente. Embora os trens já houvessem aparecido em pinturas, eles não costumavam ser o tema principal, visto que não eram considerados como algo pitoresco.

Nessa imagem da estação, Monet brinca com as convenções de paisagens, com o teto assumindo o lugar do céu e o vapor gerado pelos motores criando formas irregulares onde tradicionalmente estariam as árvores.

Hoje, essa é a Estação Saint-Lazare (Paris Saint-Lazare).

A mudança para o subúrbio
Monet e a família se estabeleceram no subúrbio de Argenteuil em 1871. A noroeste do centro de Paris, o subúrbio era ligado à capital tanto pela estrada quanto pela ferrovia que terminavam na Estação Saint-Lazare. Argenteuil era um lugar em constante transição, e sua população quase dobrou de tamanho nas duas décadas posteriores à chegada de Monet.

Nos anos em que viveu nesse ambiente diversificado e em desenvolvimento, Monet desenvolveu a tendência de escolher temas modernos, como pontes movimentadas, charmosas casas de campo de classe média ou as chaminés das fábricas de siderurgia e alvenaria.

Como pintor de paisagens, Monet usou a fascinação pela variedade da natureza e mudanças climáticas para deixar suas obras da suburbana Argenteuil ainda mais interessantes.

Aqui, ele retrata os barcos de passeio no Sena que atraíam turistas para Argenteuil durante o verão.

Durante um inverno especialmente frio, ele pintou 18 paisagens de Argenteuil coberta pela neve. Muitos deles, como essa obra, mostram a rua onde ele morava, a boulevard Saint-Denis, que ia desde a estação ferroviária até o rio Sena.

Monet sacrifica detalhes em favor da atmosfera. A paleta predominantemente monocromática, em tons de azul e cinza, transmite a desolação de uma tarde nublada de inverno.

Argenteuil nos dias de hoje
Embora Argenteuil tenha mudado muito desde a época de Monet, ainda é possível ver a rua (atualmente chamada de boulevard Karl Marx) e até mesmo a casa onde ele morou com a jovem família.
Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil