Prudente de Moraes: vida pública e privada

Museu Prudente de Moraes

A exposição relata brevemente a vida de Prudente de Moraes, Primeiro Presidente Civil do Brasil.

Prudente de Moraes: vida pública
Prudente José de Moraes Barros, nome de batismo, o definiu por toda a vida como um homem prudente e de hábitos simples. Os princípios morais, éticos, legais e a busca pela justiça marcaram sua vida pública e privada. Meticuloso e regrado nos atos, articulador e firme nas palavras, construiu sua imagem e as bases políticas para a consolidação da República no Brasil.

Prudente de Moraes durante a presidência.

Natural de Itu, após formar-se Bacharel em Ciências Jurídicas, Prudente de Moraes veio residir em Piracicaba passando a exercer sua profissão de advogado.

Carreira Política
Prudente deixou o Partido Liberal, em 1876, para integrar o Partido Republicano Paulista por compartilhar de seus ideais abolicionistas, liberdade de culto e ensino e descentralização do poder monárquico. Deixou Piracicaba como vereador e gradativamente conquistou cargos em âmbito estadual e federal, até atingir o maior grau político de poder, a Presidência da República.

No Senado, seu feito mais marcante ocorreu ao presidir a sessão para Promulgação da Constituição Republicana, em 1891.

Em 1893, candidatou-se à Presidência da República assumindo a presidência em 1894, sendo o primeiro Presidente Civil do Brasil e o primeiro a ser eleito pelo voto.

Considerado grande estadista, foi uma das lideranças na Propaganda Republicana, a qual utilizou de vários meios para a divulgação de ideias recorrendo à imprensa, publicações, comícios em praça pública, conferências em salões sociais e documento “Programa dos Candidatos”.

A elite paulista tinha influência nacional bem pontuada e estas relações ocasionaram projeção muito marcante na política através de Manoel de Moraes Barros, Manoel Joaquim Sousa Moraes, irmão e primo de Prudente de Moraes respectivamente, que chegaram aos cargos de Senadores; João Sampaio, genro e advogado, deputado estadual e federal. Paulo de Moraes e Luís Mendes de Moraes, sobrinhos de Prudente, atuaram na politica municipal, estadual e nacional.

Prudente de Moraes: vida privada
Prudente de Moraes Barros nasceu em 04 de outubro de 1841, na cidade de Itu. Seu pai, tropeiro que descendia de velhos troncos paulistas em uma de suas viagens à capital da província, em 1843, foi morto por um escravo com um golpe de faca. Após seis anos deste desfecho, Catarina, mãe de Prudente de Moraes, casou-se com Major Caetano José Gomes Carneiro. Em 1857, foi estudar na Capital e no ano seguinte, sua mãe, irmãos e padrasto mudaram-se para Constituição, atual Piracicaba.

Em 28 de maio de 1866, Prudente casou-se com Adelaide Benvinda da Silva Gordo em ato cerimonial que ocorreu em Santos, na mansão dos pais da noiva, Antonio José da Silva Gordo e Ana B. de Barros Silva.

A maior preocupação de Prudente era ser um bom exemplo a seus filhos. As cartas eram o único meio de comunicações com a família. Escrevia todas as semanas, quase que todos os dias, para todos familiares. E considerava como obrigação ser correspondido.

Prudente de Moraes, em suas cartas demonstrava que a sua família era o seu porto seguro. Era com a saúde da esposa e com os filhos e netos que se preocupava unicamente.
Mesmo em tempos de tormentos políticos, nunca deixou de se comunicar com filhos, tendo sempre a preocupação de não transparecer os problemas pelo qual passava.

Uma paixão de Prudente de Moraes era as suas jabuticabas que tinha plantado em seu quintal. Muito ciumento, não permitia que nenhuma criança entrasse no pomar sem a companhia de um adulto e muito menos que as frutas fossem colhidas enquanto não estivessem maduras.

Todos os gastos eram assentados em uma caderneta por menores que fossem, demonstrando a economia que era o perfil de seu caráter, desde um simples café tomado enquanto esperava o trem chegar até quanto emprestava a terceiros, certas quantias em dinheiro.

Prudente de Moraes: momentos finais
Prudente de Moraes relata em diários e cartas as suas constantes crises na saúde. Em 1896, foi obrigado a afastar-se da Presidência para submeter-se a uma cirurgia para retirada de cálculo na bexiga, retornando inesperadamente em março de 1897. Em 1901, foi diagnosticado com tuberculose. A doença, na última fase, andava bem acelerada. Sua vida, nos últimos meses se resumia a simples balões de oxigênio. No dia 02 de dezembro, a partir de 18 horas e 30 minutos, Prudente caiu em grande prostração, diminuindo gradativamente seu pulso, acentuou a dispnéia e a perca da lucidez. Para aliviar a respiração aplicavam inalações de oxigênio, esperando o desenlace que não podia demorar.Em frente à residência, um aglomerado de pessoas acompanhava naquele instante, o desenrolar da tragédia.

Prudente, após o término do mandato, retorna à Piracicaba

Em 03 de dezembro de 1902, Prudente de Moraes falece aos 61 anos de idade.
Foi debaixo de forte chuva que mais de três mil pessoas acompanharam, até a igreja da matriz, indiferentes ao temporal, o caixão mortuário.
Sua sepultura encontra-se em Piracicaba, no Cemitério da Saudade.

Créditos: história

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRACICABA
Barjas Negri | Prefeito

SECRETARIA DA AÇÃO CULTURAL E TURISMO
Rosângela Camolese | Secretária

MUSEU PRUDENTE DE MORAES
Renata Gava | Diretora de Museus Públicos

Mauricio Beraldo | Assistente de Ação Educativa e Programação

Taiane Melo | Estagiária Educativa

Yone Moreno | Estagiária Educativa

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil