A antiga arte da Alquimia é o cerne de Harry Potter e a Pedra Filosofal. A pedra misteriosa em questão foi feita por Nicolau Flamel e levada em segredo para Hogwarts. O que os leitores das histórias de Harry Potter podem não ter percebido é que Flamel foi uma pessoa real, um senhorio abastado (e um alquimista de grande reputação) que viveu na Paris medieval, onde morreu em 1418.

"O antigo estudo da alquimia preocupava-se com a produção da Pedra Filosofal, uma substância lendária com poderes fantásticos."
Harry Potter e a Pedra Filosofal

"A pedra pode transformar qualquer metal em ouro puro. Produz também o Elixir da Vida, que torna quem o bebe imortal." Harry Potter e a Pedra Filosofal

"'Nicolau Flamel", sussurrou ela teatralmente, "é, ao que se sabe, a única pessoa que produziu a Pedra Filosofal!'"
Hermione Granger, em Harry Potter e a Pedra Filosofal

Acreditava-se que Nicolau Flamel havia descoberto a Pedra Filosofal, mas, na realidade, ele fez sua fortuna como senhorio na Paris medieval. Diferentemente do que foi relatado em Harry Potter e a Pedra Filosofal, Nicolau faleceu em 1418 e não usou o elixir da vida para viver mais de 665 anos.

Ele e a esposa, Perenelle, são retratados nesta ilustração de um memorial que encomendaram em Paris para o Massacre dos Inocentes.

O Trabalho Químico Ancestral
De acordo com a lenda, Nicolau Flamel descobriu um manuscrito raro que explicava como fazer a Pedra Filosofal. Este livro afirma ser uma tradução desse texto perdido e é atribuído ao rabino Abraham Eleazar. Nesta imagem, uma serpente e um dragão coroado formam um círculo com as caudas interligadas às cabeças. Isso simboliza a unificação da "matéria primária" com o "espírito universal", essencial na criação da Pedra Filosofal.

Livros de alquimia

O Esplendor do Sol
Splendor Solis ("O Esplendor do Sol") é um dos manuscritos de alquimia mais belos que existem. A autoria do Splendor Solis é desconhecida, mas, com frequência, ela é atribuída erroneamente a Salomon Trismosin, que afirmou ter feito a Pedra Filosofal

Esta página mostra um alquimista segurando um frasco, do qual se desenrola um pergaminho que diz em latim: "Vamos perguntar aos quatro elementos da natureza".

O Livro dos Sete Climas
O Livro dos Sete Climas foi escrito pelo alquimista Abū al-Qāsim al-‘Irāqī e é o mais antigo estudo com foco na ilustração alquímica. De acordo com al-‘Irāqī, esta imagem retrata um processo alquímico complexo. Na verdade, ele reproduz um monumento antigo erguido em memória do rei Amenemés II, que governou o Egito há quase 4.000 anos.

Créditos: história
Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil