1945 - 1964

Steve Biko: os primeiros anos

Steve Biko Foundation

"O Grande Gigante Despertou"

 As origens de Biko, filho de Mathew Mzingaye e Alice Nokuzola Biko, são humildes. O pai tinha sido polícia antes de conseguir um emprego como funcionário público. Faleceu em 1950 quando ainda estudava direito na Universidade da África do Sul. Biko tinha quatro anos. A partir dessa altura, a maior influência na vida de Biko foi a sua mãe, Alice, que trabalhava como empregada de limpeza no Grey Hospital em King William’s Town.

Biko, the son of Mathew Mzingaye and Alice Nokuzola Biko, came from humble beginnings. His father served in the police force before landing a job as a government clerk. He died in 1950 while studying towards a law degree through the University of South Africa. Biko was four. From that age, the primary influence in Biko’s life was his mother, Alice, who worked as a domestic servant at Grey Hospital in King William’s Town.

"A sua mãe era uma base de apoio incondicional... Não tinha posses e teve de trabalhar incansavelmente para criar quatro filhos após ter perdido prematuramente o marido em 1950." 

- Aelred Stubbs

Alice "Mamcete" Biko
A Casa de Biko, no Município de Ginsberg; King William's Town, África do Sul
Bukelwa Biko
Khaya Biko

Biko, o terceiro de quatro filhos, tinha uma irmã mais velha chamada Bukelwa, um irmão mais velho chamado Khaya e uma irmã mais nova chamada Nobandile. Em conjunto, os nomes formam uma charada: "Hayi ukuBukeka kweKhaya laBantu aBandileyo", que em português significa "Admiramos a família expandida"

Nobandile Biko

"Ele não era apenas responsável em casa. Também se sentia responsável pela comunidade, em especial no domínio da educação. Isto porque, quando concluiu o ensino médio, a comunidade de Ginsberg recolheu dinheiro para que continuasse os estudos. Foi algo inédito em Ginsberg, mas ele teve bastante sucesso. Mais tarde, como prova da sua gratidão, criou o Fundo Educacional de Ginsberg.

- Nobandile Biko

Durante a sua juventude, Biko frequentou o ensino primário na escola Charles Morgan e o ensino médio na escola Forbes Grant, no Município de Ginsberg.
Referências escolares de Biko

Em 1963, com 15 anos de idade, Steve Biko ingressou no Lovedale College, uma instituição missionária na qual Khaya se tinha matriculado um ano antes. Durante esse ano, os dois irmãos e outros 50 estudantes foram detidos por suspeita de apoiarem Poqo, um proscrito simpatizante do Congresso Pan-Africano (PAC). Steve foi interrogado pela polícia e, apesar de não ficar provado que tivesse qualquer inclinação política, foi expulso e impedido de frequentar escolas estatais. Khaya foi detido por pertencer ao proibido PAC. Assim teve início o ressentimento de Steve Biko para com a autoridade e, segundo Khaya, "o grande gigante despertou". Em 1976, ao ser chamado como testemunha de defesa no julgamento dos seus colegas do Movimento da Consciência Negra, Steve Biko confessou que "a partir daquele momento, passei a odiar a autoridade com todo o meu ser!"

O incidente de 1963 teve grande influência na forma como Biko passou a ver a política. Depois de ter sido expulso da escola, passou grande parte do tempo a entregar comida e outras provisões ao irmão e aos seus camaradas na prisão. Os desenvolvimentos de 1963 foram o batismo de fogo de Steve e levaram a que as mensagens de Khaya e dos outros tivessem eco num Steve que, até à altura, se mantivera despreocupado e politicamente indiferente.  

St. Francis College
Biko recebe o prémio de um concurso de redação na escola

"Em 1963, foi expulso da escola sem ter feito nada. Foi a partir daí que o grande gigante despertou." 

- Khaya Biko 

O padre Aelred Stubbs

 Em 1964, Steve Biko ingressou na St Francis College, outra escola missionária situada em Marianhill, Natal, onde se dedicou ativamente à exploração das contradições entre os ensinamentos liberais cristãos e a experiência dos negros. Tinha-se sentido algo desiludido com o facto de o diretor e o pessoal da Lovedale College, que se identificava com uma agenda progressista liberal, terem respondido com impotência à injustiça de 1963. As provas deste momento de despertar constam da correspondência entre Biko e o seu antigo professor em Lovedale, o padre Aelred Stubbs.

Programa do funeral do Padre Stubbs
Stubbs, que mais tarde se tornou amigo de Biko, editou alguns de seus escritos num livro intitulado "I Write What I Like" (Escrevo o Que Me Apetece), uma publicação de textos que Biko escreveu entre os 18 e os 29 anos.

"A essência da Consciência Negra reside na perceção, por parte dos negros, de que a mais poderosa arma nas mãos do opressor é a mente do oprimido. Se o coração for livre, não existem correntes criadas pelo homem que possam obrigar à servidão mas, se a mente for de tal modo manipulada e controlada pelo opressor, não haverá nada que o oprimido possa fazer para intimidar os seus poderosos senhores."

- Steve Biko, I Write What I Like

Carta de despedida de Steve Biko aos seus colegas de turma em St. Francis antes de ir para a universidade

Click on the Steve Biko Foundation logo to continue your journey into Biko's extraordinary life. Take a look at Steve Biko: The Black Consciousness Movement, Steve Biko: The Final Days, and Steve Biko: The Legacy.

Créditos: história

Steve Biko Foundation:
Nkosinathi Biko , CEO
Y. Obenewa Amponsah, Director International Partnerships
Donna Hirschson, Intern
S. Dibuseng Kolisang, Communications Officer 
Consultants:
Ardon Bar-Hama, Photographer
Marie Human, Researcher

Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil