TRATO DAS CRIATURAS MÁGICAS

The British Library

Desde tempos imemoráveis, as pessoas acreditam na existência de criaturas mágicas. Os bestiários medievais estão repletos de descrições de feras com atributos peculiares, como unicórnios, dragões e fênix. Há algo reconfortante em ver essas imagens, um lembrete do poder da imaginação humana e do desejo de acreditar em animais com talentos extraordinários (e, por vezes, perigosos).

"Nenhuma casa de bruxa está completa se não possuir um exemplar de Animais fantásticos […]".
Professor Dumbledore em Animais Fantásticos e Onde Habitam

A Terra de gigantes

Um gigante subterrâneo
Athanasius Kircher foi descrito como "um gigante entre os estudiosos do século XVII". É bem adequado que na obra chamada Mundus Subterraneus ("O Mundo Subterrâneo"), ele tenha alegado que um esqueleto enorme foi descoberto em uma caverna siciliana no século XIV.

Supostamente, o gigante tinha 90 metros de altura e é mostrado aqui em comparação com um humano normal, com o gigante bíblico Golias, com um gigante suíço e com um gigante mauritano.

Sereias

Uma sereia encantadora
Na mitologia grega, a sereia é uma criatura com cabeça de mulher e corpo de pássaro, pero na França, assim como no Brasil, utiliza-se apenas uma palavra ("sirène") tanto para "siren" quanto para "mermaid", sendo que esta última é um ser com uma cauda semelhante à de um peixe, conforme mostrado neste manuscrito feito na França medieval. Ela enfeitiça os marinheiros com o canto de pássaro e corpo voluptuoso antes de arrastá-los dos navios para comer a carne deles.

Na costa há um onocentaur, com o corpo de um homem até o umbigo e o corpo de um burro abaixo.

Uma sereia de um livro-jogo
Este pequeno e encantador "livro-jogo" possivelmente foi feito como um símbolo de amor. Utilizando-se uma série de abas, criaturas diferentes podiam ser criadas usando partes do corpo de feras míticas e animais reais.

Aqui temos uma sereia, que pode ganhar pernas para se tornar uma mulher ou a cabeça de um homem para se tornar um homem-peixe.

"O dragon (dragão), provavelmente o animal mágico mais famoso do mundo, encontra-se entre os mais difíceis de esconder"
Animais Fantásticos e Onde Habitam

Dragões etíopes
Ulisse Aldrovandi era obcecado por dragões, tanto que escreveu um livro best-seller chamado The History of Serpents and Dragons. Aldrovandi era proprietário de um espécime de "dragão monstruoso" que foi encontrado perto de Bolonha, Itália, em 1572. O corpo preservado da criatura foi exibido no museu pessoal dele e ainda podia ser visto mais de 100 anos depois.

Estas páginas mostram dois tipos de dragões etíopes que podem ser diferenciados pelas cristas nas costas.

Aranhas

Aranha-golias-comedora-de-pássaros
Maria Sibylla Merian foi uma naturalista revolucionária, a primeira mulher a liderar uma expedição científica para o Suriname, entre 1699 e 1701.

Foi nessa viagem que ela descobriu esta aranha gigante comedora de pássaros. Infelizmente, ela foi declarada como excêntrica por alguns colegas do sexo masculino, e foi somente após 1863 que a existência dessa aranha foi finalmente aceita.

Aragogue
Esta pintura preparatória de Jim Kay captura cada detalhe assustador de Aragogue, a aranha carnívora que Harry Potter e Ron Weasley encontraram na Floresta Proibida.

Ao fundo, centenas de pernas de aranhas tornam-se indistinguíveis das árvores pontiagudas em volta delas.

Os fios da teia das aranhas brilham em branco à luz da varinha de Harry.

Hipogrifos

Um cavaleiro e seu hipogrifo
Ludovico Ariosto foi o primeiro a descrever o hipogrifo, no poema épico Orlando Furioso (1516).

Nesta ilustração, o cavaleiro, Ruggiero prendeu o hipogrifo em uma árvore. O que ele não sabia é que a árvore era, na verdade, outro cavaleiro que havia sido transformado por uma feiticeira malvada.

Bicuço
Esta bela pintura de Jim Kay mostra Bicuço, o hipogrifo, deitado na cama de Hagrid, com um lanche composto de furões sob suas garras. Kay desenhou o interior da cabana de Hagrid a partir da cabana real do jardineiro de Calke Abbey, em Derbyshire, Reino Unido.

Os destaques vibrantes em azul lembram as plantas Hyacinthoides non-scripta, que crescem nas florestas de Calke.

"Um pássaro vermelho do tamanho de um cisne apareceu […] Tinha uma cauda dourada e faiscante, comprida como a de um pavão e garras douradas…"
Fawkes a Fênix em Harry Potter e a Câmara Secreta

Erguendo-se das chamas
Este bestiário do século XIII descreve a "Fênix" de forma bem detalhada. De acordo com o manuscrito, esse pássaro mítico é chamado assim por sua cor púrpura tíria ("phoenician purple", em inglês). A fênix é nativa da Arábia e pode viver 500 anos.

Na velhice, acredita-se que a fênix crie sua própria pira funerária com galhos e folhas antes de abanar as chamas com as próprias asas para ser consumida pelo fogo. Após o nono dia, ela surge novamente das cinzas.

Uma fênix francesa
Você sabia que o autor francês Guy de la Garde devotou um estudo completo à fênix, chamado L’Histoire et description du Phoenix? A cópia da Biblioteca Britânica desse livro é impressa exclusivamente em papel velino e contém uma imagem colorida à mão de uma fênix emergindo de uma árvore em chamas.

O Simurgh
O simurgh era retratado tradicionalmente com uma cabeça canina, orelhas pontiagudas e um rabo de pavão. Na literatura persa, ele geralmente é representado em voo, com fantásticas penas espiraladas na cauda. Neste bestiário, o autor descreve o simurgh como forte o suficiente para carregar com facilidade um elefante, e é dito que ele bota um ovo a cada 300 anos.

Fênix de Jim Kay
O estudo preparatório de Jim Kay capta as cores brilhantes das penas da fênix; a imagem parece pairar sobre a superfície da página.

A pintura também inclui detalhes do ovo, o olho e uma única pena de fênix, todos os quais ajudaram o artista a criar a ilustração final.

"O unicórnio era tão branco que fazia a neve ao redor parecer cinzenta."
Harry Potter e o Cálice de Fogo

Um unicórnio com aparência de leão
Na mitologia, o unicórnio aparece em todas as formas e tamanhos.

Um poema do escritor bizantino Manuel Philes descreveu o unicórnio como uma fera selvagem com uma mordida perigosa: ele tinha a cauda de um javali e a boca de um leão.

Cinco espécies de unicórnio
Pierre Pomet, um farmacêutico parisiense, identificou nada menos que cinco espécies de unicórnio, incluindo o camphur (um asno com chifre da Arábia) e o pirassoipi (um unicórnio com dois chifres idênticos, uma contradição com relação ao termo). Pomet afirmou que o chifre do unicórnio era "bem utilizado devido às ótimas propriedades atribuídas a ele, principalmente contra venenos".

Caça aos unicórnios
Há muito tempo, diz-se que o sangue, o pelo e o chifre do unicórnio teriam propriedades medicinais. Esta imagem da matança e esfolamento do pirassoipi, um unicórnio com dois chifres idênticos, pode ser encontrada em um estudo de Ambroise Paré, cirurgião da Coroa francesa. Paré tinha uma ampla variedade de interesses. Ele dedicou outros capítulos desse livro a fenômenos como venenos e múmias egípcias.

"...corujas piavam, gatos miavam e o sapo de estimação de Neville coaxou alto debaixo do chapéu do seu dono."
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

A Um gato astut
Há muito tempo os gatos são associados com a feitiçaria. Conrad Gessner, um naturalista suíço do século XVI, relatou que eles possuem uma "característica astuta" e que "sabe-se de casos em que homens chegaram a desmaiar ao ver um gato". Edward Topsell, o primeiro tradutor da obra de Gessner para o inglês, observou que "Os familiares das bruxas costumam aparecer na forma de gatos, o que é um argumento de que o animal é perigoso para a alma e para o corpo".

Uma coruja notável
Esta ilustração colorida à mão de um par de corujas-das-neves pode ser encontrada no enorme Birds of America, que mostra todos os pássaros nativos da América do Norte em tamanho real. O volume finalizado tem pouco mais de 1 m de altura e é o livro impresso mais caro já vendido em um leilão. As corujas-das-neves são nativas das regiões árticas da América do Norte e da Eurásia.

A fêmea, mais à frente nesta figura, tem mais manchas de plumagem preta.

Um sapo tóxico
Os sapos aparecem no folclore mágico há séculos. Os usos deles variam desde prever o clima até trazer boa sorte, e eles aparecem com frequência nos remédios populares: por exemplo, dizia-se que esfregar um sapo em uma verruga a curaria, mas só se você empalasse o sapo e o deixasse assim até a morte.

O sapo-cururu, mostrado aqui, é muito grande e pode ser identificado por suas patas sem membranas. Suas glândulas venenosas produzem uma secreção leitosa tóxica.

Créditos: história
Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil