2016

PRAÇA MAUÁ

Museu do Amanhã

A partir da estátua do Barão de Mauá, no centro da Praça que leva o seu nome, um giro em 360º revela passado, presente e futuro da cidade do Rio de Janeiro sob a ótica da história, da arquitetura e da paisagem de seus arredores. Localizada às margens da Baía de Guanabara e epicentro de grande transformação urbanística no início do século XX, a Praça Mauá volta a ter lugar de destaque na cidade, após anos relegada ao esquecimento e à degradação. Em 2015, foi entregue reformada pela prefeitura e tornou-se um espaço de encontros, lazer e manifestações culturais.

Vista aérea da Praça Mauá, com o Cais do Porto ao fundo e o Museu do Amanhã à direita: espaço passa pelo maior processo de reurbanização em mais de cem anos (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Quatro anos depois de fechada para obras do Porto Maravilha, a Praça Mauá foi reaberta ao público em setembro de 2015 (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Manifestação artística na Praça Mauá, durante inauguração do Museu do Amanhã, em dezembro de 2015. Revitalizado, o espaço passou a ser frequentado por cariocas e turistas (foto: Derek Mangabeira/I hate flash).

Monumento de bronze homenageia um dos precursores da industrialização do Brasil: o Barão de Mauá. Foi instalado em 1910. Retirado do local em 2011, retornou em fevereiro de 2015 (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O Píer Mauá, originalmente Píer Oscar Weinschenk, em construção, em 1948/49, para receber turistas para a Copa do Mundo de 1950 (foto: Arquivo Nacional).

Com intensa atividade portuária, o Píer Mauá em 1962 (foto: Arquivo Nacional).

Praça Mauá durante a construção do Elevado da Perimetral, em 1970 (foto: Arquivo Nacional).

Em abril de 2014, último trecho do Elevado da Perimetral, na altura da Praça Mauá, foi demolido pela prefeitura. Decisão suscitou debates (foto: Ricardo Cassiano).

O Arsenal da Marinha, na Ilha das Cobras, foi criado em 1763 pelo vice-rei Antônio Álvares da Cunha. O espaço tinha a finalidade de reparar os navios da Marinha de Portugal (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

A derrubada da Perimetral permitiu que a Praça Mauá ganhasse mais destaque e voltasse aos holofotes da população (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O Museu de Arte do Rio foi inaugurado em 2013, como parte do plano de revitalização da cidade. Transformou-se num ícone da cidade (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O MAR fica em dois prédios de perfis heterogêneos e interligados: o Palacete Dom João VI, tombado e eclético, e um edifício de estilo modernista – um antigo terminal rodoviário (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O terminal de cruzeiros Píer Mauá, no Edifício Touring Club, é o principal o ponto de atracação de navios do Rio. Em 2015, bateu o recorde de 9 embarcações ancoradas ao mesmo tempo (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Fundado no final do século XVI, o Mosteiro de São Bento é a mais antiga construção da Região Portuária do Rio. A Igreja é um dos principais monumentos da arte colonial do país (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Considerado um dos principais monumentos da arte colonial do país, o interior da igreja é totalmente forrado em talha dourada (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Conheça um pouco mais da história do Mosteiro de São Bento.

Prédio que abrigou umas das mais importantes rádios do Brasil, a Rádio Nacional, o Edifício A Noite foi o primeiro arranha-céu do país. Começou a ser construído em 1927 (foto: Biblioteca Nacional).

O Museu do Amanhã, à noite. Prédio tem a assinatura do arquiteto espanhol Santiago Calatrava (foto: I Hate Flash).

Os sete espelhos d’água que cercam o Museu são abastecidos pela Baía de Guanabara. O sistema de resfriamento do ar-condicionado reutiliza água, economizando milhões de litros (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Como a água é salgada, e renovada constantemente, não há risco de proliferação do mosquito Aedes Aegypti (foto: Acervo Museu do Amanhã).

Os jardins que contornam o Museu do Amanhã são um projeto do escritório de Burle Marx. É formado por espécies da Mata Atlântica, além de palmeiras (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O Museu do Amanhã ao centro, com o Edifício A Noite, à esquerda, e o Rio Branco 1 (RB1), à direita (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

Puffed Star II é uma instalação do artista americano Frank Stella, no espelho d'água do Museu do Amanhã. Feita de alumínio, tem vinte pontas e seis metros de diâmetro (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O enorme espelho d'água traz o conceito de que renovar é preciso (foto: Acervo Museu do Amanhã).

O entorno do Museu do Amanhã é público, e já se transformou em nova opção de lazer para cariocas e turistas (foto: David Argentino/I Hate Flash).

O teto do prédio é formado por grandes abas, que se abrem e fecham de acordo com a intensidade do Sol. As 5.492 placas geram cerca de 10% da energia usada diariamente pelo Museu (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O novo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) cruza a Região Portuária. Capaz de transportar até 300 mil passageiros por dia, o sistema vai operar 24 horas por dia (foto: Marcos Tristão/Museu do Amanhã).

O VLT Carioca fará a integração com metrô, trens, barcas, teleférico, BRTs e redes de ônibus convencionais (foto: João Paulo Engelbrecht).

Visitantes fazem fila para entrar no Museu, na semana de abertura (foto: Arquivo Museu do Amanhã).

Créditos: história

Presidente do Conselho de Administração: Fred Arruda
Diretor Presidente: Ricardo Piquet
Curador Geral: Luiz Alberto Oliveira
Diretor de Conteúdo: Alfredo Tolmasquim
Diretor de Operações & Finanças: Henrique Oliveira
Diretor de Desenvolvimento de Públicos: Alexandre Fernandes
Diretor de Planejamento & Gestão: Vinícius Capillé
Diretora Captação de Recursos: Renata Salles
Gerente de Exposições e Observatório do Amanhã: Leonardo Menezes
Editor de Conteúdo: Emanuel Alencar
Redator de Conteúdo: Eduardo Carvalho
Estagiária: Thaís Cerqueira
Fotos: Gustavo Otero | Coleção Museu do Amanhã
Fotos: Marcos Tristão, I Hate Flash, Aquivo Nacional, João Paulo Engelbrecht, Ricardo Cassiano
Vídeo: Monclar Filmes

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil