2016

O Modernismo em Palco

Museu Nacional do Teatro e da Dança

Desenhos de António Soares para teatro e dança

Primeiros trabalhos para palco
António Soares começou a desenhar para os palcos desde a década de 1910, posters e outros trabalhos gráficos revelando grande elegância e modernidade
O fascínio da dança
A experiência das récitas lisboetas dos "Ballets Russes" representou uma revelação para António Soares que imediatamente começou uma pesquisa na representação da dança e do movimento.
O activista do modernismo
António Soares militou activamente no movimento modernista. Colaborou em numerosas iniciativas e publicações, próximo de António Ferro, uma das figuras chave do movimento Soares participou numa das mais emblemáticas iniciativas artísticas do movimento, a decoração do café Brasileira do Chiado

Pormenor do quadro "Café da Noite" (Brasileira)

O fascínio por Berta Singerman
Fascinado pela declamadora e actriz argentino-russa Barta Singerman, uma artista celebrada pelos modernistas portugueses, António Soares tornou-se íntimo de Singerman e dela fez diversos desenhos e esboços para as cenas das suas récitas.

Detalhe do desenho "Olha a Bertha"

Berta Singerman, filha e marido com António Soares [provavelmente no Hotel Avenida Palace]

Modernizando os palcos: primeios passos
Desde 1927, António Soares foi um dos artistas que mais contribuiu para a renovação da revista à portuguesa, desenhando as cortinas modernistas da revista 'A Rambóia' (1928) e de muitos outros espectáculos teatrais

Pormenor da cortina de 'A Rambóia' com trajes populares estilizados

Corpo e nudez
Lea Niako foi das primeiras bailarinas a surpreender a sociedade portuguesa com as suas apresentações nua em palco. A sua beleza exótica deslumbrou António Soares
Os clubes modernos de Lisboa
Desde meados dos anos 1920 diversos clubes nocturnos e alguns outros clubes tradicionais e cafés renovaram a sua decoração para agradar a um público de gosto moderno e cosmopolita. António Soares foi responsável por vários desses trabalhos.

Pormenor de telão com arlequim

Pormenor de telão com mulher cosmopolita

Pormenor de telão com mulher cosmopolita

Pormenor de desenho para o 'Bristol Clube'

Um círculo de dança
No final dos anos 1920, António Soares ficou próximo de um círculo de dança que se formou em torno de Francis Graça e que estava a mudar a prática da dança. Soares era próximo de Natacha Baltrina, uma bailarina letonaniana que actuou com Francis nos palcos portugueses e sobretudo de Maria Germana, aluna de Francis com quem viria a casar
Desenhando uma 'Revista à Portuguesa' modernia
Desde o final dos anos 1920 António Soares era um dos mais activos cenógrafos da revista à portuguesa, um género teatral muito em voga. Algumas das suas criações foram marcantes, influenciando outros artistas e ajudando a alterar o gosto do público em favor do modernismo.

Uma visão moderna: uma paisagem de arranha-céus

Uma visão moderna: um vislumbre de um zepelim

Uma visão moderna: o tabuleiro da ponte de Brooklin

Sugerindo o tropicalismo, um símio num coqueiro

Modernismo e cenografia
Por 1930, António Soares iniciou uma colaboração com as mais significativas companhias teatrais portuguesas nalgumas das suas principais produções. A modernidade da sua cenografia era reconhecida e contribuiu para uma importante mudança de gosto.

Uma decoração cosmopolita reforça a dimensão contemporânea da peça

Pormenor de uma maquete de cenário detalhada. No painel da direita um espectro sugere a ambiguidade da natureza psicológica do protagonista

Pormenor do quadro "Atrás dos bastidores" com bailarina e dois pierrots

Cenografia erudita
Para a "Electra" de Jean Giraudoux, António Soares criou maquetes de cenário e figurinos particularmente eruditos, inspirado na encenação de Louis Jouvet para a apresentação da peça no Teatro Estúdio dos Campos Elíseos

Pormenor de uma maquete de cenário para "Electra"

Cena de "Electra, a mensageira dos deuses", com os actores Maria Lalande, Hortense Luz, Carmen Dolores, Assis Pacheco, João Villaret, António Silva e Ribeirinho

Museu Nacional do Teatro e da Dança
Créditos: história

Museu Nacional do Teatro e da Dança

Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil