A Coroação da Rainha Isabel II 

A coroação da Rainha Isabel II foi um dia de pompa e rituais deslumbrantes, comemorado em todo o mundo, e marcou o início de um reinado longo e histórico.

Crianças celebram a Coroação
Rei Jorge VI

A Ascensão da Rainha

O Rei Jorge VI morreu durante o sono na Casa de Sandringham, na noite de 6 de fevereiro de 1952. Tinha apenas 56 anos. Uma doença prolongada e o esforço de liderança durante os dias negros da Segunda Guerra Mundial levaram a melhor sobre o muito amado monarca. 

A Princesa Isabel, a mais velha das duas filhas do rei, estava no Quénia, no início de uma viagem real pelos estados da Commonwealth, em representação do seu pai devido à sua saúde. 

A notícia da morte do pai foi-lhe comunicada pelo marido, o Príncipe Filipe. 

Isabel, com 25 anos, enfrentou não só a dor da morte do pai, mas a perspetiva assustadora de que era agora a Rainha do Reino Unido e Líder da Commonwealth. 

Apesar de Isabel ter aceite o trono, a coroação só ocorreu 16 meses depois. 

Retrato da Duquesa de York (futura Rainha Mãe) com a sua filha recém-nascida, a Princesa Isabel

A juventude de Isabel

Isabel nasceu a 21 de abril de 1926, em Londres. Quatro anos mais tarde, teve uma irmã mais nova, a Princesa Margarida. O seu pai, o Duque de York, era o segundo filho do Rei Jorge V e, como tal, não era esperado que fosse rei.  

Mas tudo isto mudou em 1936, quando o irmão mais velho do pai, o rei Eduardo VIII, abdicou devido à sua vontade de casar com a divorciada americana Wallis Simpson, o que era visto como incompatível com o seu papel de Chefe da Igreja Anglicana. O pai de Isabel tornou-se o Rei Jorge VI e ela tornou-se herdeira do trono. 

Mesmo em criança, o carácter forte e a atitude responsável da Princesa Isabel eram bem visíveis. Durante a Segunda Guerra Mundial, fez transmissões de rádio para ajudar a elevar o ânimo de outras crianças, apoiou ações de caridade e, aos 18 anos, juntou-se ao Serviço Territorial Auxiliar Feminino e teve formação como condutora e mecânica. 

Em 1947, a Princesa participou na sua primeira viagem real com os seus pais à África do Sul. 

A Princesa Isabel com a sua mãe e irmã
Princesa Isabel, 1929
Um dia de passeio em família, 1936

"Declaro perante vós que toda a minha vida, quer seja longa ou curta, será dedicada a servir-vos e a servir a nossa prestigiada família imperial, à qual todos pertencemos."

Princesa Isabel, 1947

Príncipe Filipe

A princesa Isabel viu o príncipe Filipe pela primeira vez em 1934, quando tinha apenas 8 anos de idade. Filipe era um príncipe Grego cuja família tinha sido forçada ao exílio em 1922, quando ainda era uma criança.  

Depois de mais um encontro, em 1939, com apenas 13 anos de idade, a princesa Isabel declarou que estava apaixonada por Filipe, nessa altura um cadete oficial da Marinha Real, e os dois começaram a escrever-se regularmente.

Príncipe Filipe
O casal real

Um Casamento Real

O Príncipe Filipe passou a Segunda Guerra Mundial em serviço ativo no Mediterrâneo, mas após a guerra o Príncipe e a Princesa puderam retomar o seu relacionamento. O noivado foi anunciado em 1947 e casaram-se na Abadia de Westminster a 20 de novembro. No mesmo dia, o Príncipe Filipe foi condecorado com o título de Duque de Edimburgo. 

Agridoce: fila de racionamento 

Grã-Bretanha, 1953

Em 1953, a Grã-Bretanha ainda vivia sobre o espectro da Segunda Guerra Mundial. O racionamento alimentar ainda era obrigatório para o açúcar e a carne, sendo bastante impopular. A destruição provocada pelos bombardeamentos ainda era bem visível em muitas cidades. 

A posição da Grã-Bretanha como grande potência mundial estava ameaçada e o império começava a ruir. 

Mas a década de 50 marcou o início da recuperação dos anos de austeridade do pós-guerra. Os salários aumentavam, o racionamento estava a chegar ao fim e o governo tinha lançado um programa de construção habitacional em grande escala.  

A coroação de uma Rainha jovem, bela e consciente, parecia augurar um futuro mais risonho.

"A coroação foi como que o momento da fénix. Estava tudo a renascer das cinzas…a melhorar cada vez mais."

Princesa Margarida
O desfile pelas ruas de Londres

O Desfile

Os preparativos para a coroação da Rainha Isabel II começaram no momento em que acedeu ao trono, em fevereiro de 1952. Mas só 16 meses mais tarde, a 2 de junho de 1953, é que foi coroada rainha. 

O dia tão esperado começou com um desfile do Palácio de Buckingham até à Abadia de Westminster, o local das coroações Inglesas e Britânicas desde Haroldo II, em 1066. Milhares de espectadores ansiosos por ocupar os melhores lugares ao longo do percurso acamparam durante a noite, apesar da chuva forte. 

No próprio dia estavam cerca de 3 milhões de pessoas alinhadas nas ruas para aplaudir a nova rainha. Ao longo do dia ocorreram aguaceiros esporádicos, mas o tempo manteve-se aberto durante o desfile. 

O cortejo real foi liderado pelas grandes bandas da Brigada de Guardas, seguidas pelas pelas forças armadas das nações da Commonwealth. Os chefes de estado e a realeza estrangeira viajaram de coche. Foram seguidos pela própria Rainha no Coche de Estado Dourado. 

Soldados a marchar durante o desfile

Hillary e Everest

A 29 de maio de 1953, o montanhista Neozelandês Edmund Hillary e o Nepalês Sherpa Tenzing Norgay tornaram-se os primeiros homens a alcançar o topo do Monte Evereste, a montanha mais alta do mundo. Devido à escassez de oxigénio, só permaneceram 15 minutos no cume, situado a 8848 metros de altitude. 

As notícias deste feito extraordinário chegaram à Grã-Bretanha na mesma manhã da coroação. O feito foi imediatamente apontado como uma prenda para a jovem rainha e as notícias espelharam-se pelas ruas de Londres apinhadas de gente, o que provocou ainda mais regozijo. 

Hillary e o líder da expedição, o coronel John Hunt, receberam mais tarde o título de cavaleiros pela mão da rainha e Norgay recebeu a Medalha de George.

Edmund Hillary e Tenzing Norgay 

Coches Reais

A monarquia Britânica tem mais de 100 coches e carruagens. O mais prestigiado é o Coche de Estado Dourado, utilizado pela Rainha Isabel na sua coroação. O coche foi construído em Londres, em 1762, é puxado por 8 cavalos e pesa 4 toneladas. É talhado em folha de ouro (daí o seu nome) e decorado com painéis pintados. 

Recentemente, o coche real mais visto tem sido o State Landau de 1902, usado no casamento de William e Kate e no Jubileu de Diamante da Rainha, em 2012. 

Gravura da Abadia de Westminster

A Coroação

A chegada da Rainha Isabel à Abadia de Westminster, onde era esperada por 8000 convidados, marcou o início da cerimónia religiosa que iria terminar com a sua coroação. 

Vestia um vestido em seda bordado com os emblemas das nações da Commonwealth e por cima levava o Manto de Estado em veludo, com mais de 5 metros de comprimento, segurado por sete damas de honor. 

No altar, a Rainha fez o Juramento de Coroação, jurando defender a justiça e as leis do seu reino e defender a fé Anglicana. Depois, no momento mais tradicional e sagrado da cerimónia, sentada no trono real, a rainha foi ungida com óleo sagrado pelo Arcebispo de Cantuária. Ao receber os cetros, orbe, e manto reais e, por último, a coroa, a congregação gritou "God save the Queen!" (Deus proteja a Rainha.

"As coisas que aqui prometi, irei executar e manter, com a ajuda de Deus"

Rainha Isabel II, 1953

Após a Cerimónia

Depois da cerimónia de coroação, a Rainha voltou para o Palácio de Buckingham no Coche de Estado Dourado. Uma enorme multidão reuniu-se rapidamente nas imediações do palácio e começou a entoar "Queremos a Rainha!" 

A Rainha, acompanhada pela Família Real, fez a primeira de várias aparições na varanda nesse dia. Foi saudada com enormes aplausos da multidão. Retirou-se depois para o primeiro de dois Banquetes de Coroação, com a presença da família, realeza estrangeira e dignitários visitantes. 

No segundo, foi servido pela primeira vez o "Frango de Coroação", um prato com frango frio e um molho de caril cremoso preparado para a ocasião.

Às 17h00 (teve de ser atrasado várias vezes devido ao mau tempo) mais de 150 aeronaves sobrevoaram o Palácio de Buckingham. A última aparição da Rainha na varanda foi à meia-noite. 

"Esperamos estar a testemunhar o início de uma nova era isabelina, não menos célebre do que a primeira."

Clement Attlee, 1953

Televisão

A coroação da Rainha Isabel II tornou-se um momento importante da história da televisão. A própria cerimónia nunca tinha sido filmada e, apesar do Primeiro-Ministro Winston Churchill não achar que deveria ser, a rainha acreditou que sim. Menos de um terço dos lares britânicos tinham televisão em 1952, mas a procura para assistir à coroação foi enorme. Antes do evento, a BBC trabalhou arduamente para aumentar a cobertura – e as vendas de televisores dispararam. 

No próprio dia, as pessoas encheram as salas de estar, cinemas e salas de teatro para assistir às 11 horas de cobertura em direto. A transmissão foi a preto e branco, apesar da cerimónia ter sido filmada a cores. Calcula-se que a audiência televisiva no Reino Unido tenha atingido os 20 milhões de telespectadores (40% da população). A partir daí, a televisão passou a ser o principal entretenimento do país. 

Sala de controlo de transmissão televisiva da BBC
A coroação na televisão

Um Longo Reinado

A coroação da rainha Isabel II marcou o início de um reinado notável, que, até à data, é o segundo maior na história britânica. 

Naquela altura, ela tinha realizado inúmeras viagens ao estrangeiro e aos estados da Commonwealth e tornou-se o chefe de estado mais viajado da história. 

O seu reinado testemunhou alterações notáveis e dramáticas no Reino Unido e por todo o mundo, como por exemplo a dissolução gradual do poder imperial britânico. 

A própria família real suportou os seus próprios traumas, incluindo o fim do casamento de três dos seus quatro filhos e a morte trágica e extemporânea de Diana, Princesa de Gales, em 1997. 

Ainda assim, a rainha, com o príncipe Filipe a seu lado, permaneceu firme, digna e respeitada. Tinha alcançado uma enorme popularidade, tanto a nível nacional como internacional, tal como ficou demonstrado pelo enorme entusiasmo do público que saudou o seu Jubileu de Diamante, em 2012. 

Créditos: história

Toby Groom, Documentary Producer & Historian 
Mike Lewis, CEO & Founder, Historvius.com

Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil