A fortaleza da cultura brasileira

Museu Histórico Nacional

Da junção da Fortaleza de Santiago, da Casa do Trem e do Arsenal de Guerra surgiu, em 1922, o maior museu de história do Brasil, o Museu Histórico Nacional. Suas edificações remontam ao século XVII e guardam em sua arquitetura vestígios dos períodos Colonial, Imperial e Republicano. Este é um dos maiores complexos arquitetônicos da cidade do Rio de Janeiro

No local onde nasceu uma cidade, existe um lugar que conta a história de todo um país.

Cultura e Tranquilidade
Uma visita ao Museu Histórico Nacional é mais do que simplesmente conhecer a história e ver obras de arte. A arquitetura do lugar é encantadora. Os detalhes da construção, que refletem os períodos colonial, imperial e republicano chamam a atenção. Além de tudo isso, é um lugar tranquilo onde também se pode relaxar.

Pátio Santiago
Um dos pontos de defesa da cidade do Rio de Janeiro, de ataques marítimos. Ao fundo, o Pão de Açúcar.

Casa do Trem
Neste prédio instalou-se uma fundição - de onde saíram, em 1783, as primeiras esculturas de bronze da América, criadas pelo Mestre valentim - e a Real Academia Militar, em 1811.

A partir de 1822, com a independência, o Arsenal de Guerra tornou-se um grande centro de produção e armazenamento de armas e munições para o Exército Brasileiro.

Pátio Minerva
Área utilizada para recepções e atividades culturais.

Brasões e seus significados encantam os visitantes nesta área contígua ao Pátio da Minerva.

Aqui começa uma viagem onde se combinam artes e armas.

Pátio dos Canhões
Aqui se encontram exemplares de canhões portugueses, ingleses, franceses, holandeses e brasileiros. Os canhões contam com legendas em braile.

Vista superior do Pátio dos Canhões.

O chafariz no centro do pátio é muito procurado para fotografias.

Anoitecer no Pátio dos Canhões.

Pátio Gustavo Barroso
Espaço que serve de apoio a grandes exposições e também como área de lazer.

Arquitetura que chama atenção em meio a uma grande e moderna metrópole.

O verde está presente no entorno do Museu Histórico Nacional.

Fotografia panorâmica de Augusto Malta tirada em 1922, durante a Exposição Internacional do Centenário da Independência. No início do século XX o Arsenal de Guerra foi transferido e o complexo arquitetônico militar foi reformulado, tornando-se o Pavilhão das Grandes Indústrias durante a Exposição. O Museu Histórico Nacional, criado em 1922 pelo presidente Epitácio Pessoa, foi instalado nessa edificação. À direita está o Pavilhão de Festas.

Imagem inspirada na foto de Augusto Malta, de 1922. O imponente complexo arquitetônico que abriga o Museu se destaca no meio da cidade, marcando uma época e contando uma nova história para o futuro.

Créditos: história

Presidente da República
Michel Temer

Ministro da Cultura
Roberto Freire

Presidente do Instituto Brasileiro de Museus
Marcelo Mattos Araújo

Diretor do Museu Histórico Nacional
Paulo Knauss de Mendonça

Coordenador Administrativo
Américo David Aurélio

Coordenadora Técnica
Vania Drummond Bonelli

Agradecimentos
José Caldas
Lau Torquato
Ricardo Bhering

MHN - 2017

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil