1968

 Um ano de agitação

Getty Images

Fotografias de Reg Lancaster dos Motins de Paris e da Primavera de Praga
DE GETTY IMAGES

1968 foi um ano de agitação política e de mudanças sociais. Em todo o mundo ocorreram manifestações em prol das liberdades cívicas e contra a Guerra do Vietname. Foi neste contexto de luta global pela democracia política e pelas liberdades pessoais que se deu o Maio de 68 em Paris e eclodiu a Primavera de Praga. 

Os dois eventos foram cobertos pelo fotógrafo britânico Reg Lancaster, do Daily Express, na altura a residir em Paris. 

Em França, foram os estudantes que desafiaram primeiro o "status quo" e protestaram contra o sistema, tendo sido mais tarde acompanhados pelos trabalhadores desiludidos. Em maio, uma série de ataques estudantis a várias universidades de Paris escalou de intensidade e acabou por invadir as ruas. 

As fotografias de Reg documentam a evolução dos motins. A tensão entre os manifestantes e a polícia de intervenção é visível. 

Reg trabalhou para o Daily Express durante 44 anos. No seu auge, o Express tinha a maior equipa de fotógrafos a cobrir os assuntos externos em todo o mundo. Reg era um fotógrafo versátil que tirava fotografias de tudo, desde desporto a celebridades, com o mesmo olhar atento para o detalhe.

Rostos expressivos, de polícias de intervenção preparados para lançar gás lacrimogéneo sobre as multidões.
Rua coberta de detritos e projéteis utilizados no motim.

À esquerda, 14 de maio. Uma situação volátil em que uma multidão atenta à polícia parece estar pronta para os confrontos. 

Um fotógrafo em ação segurando a câmara. Na rua, um sapato perdido deixado à pressa. No canto inferior direito da imagem, um manifestante corre na nossa direção, segurando algo que se parece com um tijolo. O ar está enevoado com o gás lacrimogéneo.

Os manifestantes juntam os braços numa demonstração de solidariedade. 
A polícia prepara-se para confrontar os estudantes no 5.º Bairro.
Médicos e polícias carregam um homem ferido.

À esquerda, os protestos tornam-se violentos e alguns manifestantes já estão caídos no chão. Os fotógrafos da imprensa, apanhados nos tumultos, refugiam-se numa entrada, enquanto outro fotografa a polícia à medida que esta avança com os bastões em riste. 

O rosto ensanguentado de uma vítima auxiliada por outro estudante, enquanto o grupo atrás deles põe as mãos na cabeça.

Os polícias refugiam-se atrás dos escudos de intervenção, preparando-se para o próximo confronto.
Os estudantes juntam os braços num impasse com a polícia; vários manifestantes usam capacete como meio de proteção.
Um polícia e um fotógrafo abrigam-se, ambos equipados para as suas funções.
As imagens captadas por trás da linha policial oferecem uma perspetiva interessante.
Um polícia isolado atira uma lata de gás lacrimogéneo na tentativa de dispersar a multidão.
A polícia de intervenção investe para tirar os manifestantes das ruas.
Os parisienses retomam a rotina diária, passando por cima dos escombros deixados nas ruas após os motins dos estudantes.

Em agosto do mesmo ano, Reg estava na Checoslováquia para fotografar a crise em Praga. 

A Primavera de Praga é o termo utilizado para descrever o breve período em que Alexander Dubcek, o popular líder do Partido Comunista, tentou introduzir um programa de reformas e aliviar a censura. 

Apesar dos esforços para assegurar à liderança soviética que a Checoslováquia não tinha qualquer intenção de abandonar o Pacto de Varsóvia, o avanço em direção a uma abordagem mais liberal foi visto pela União Soviética como uma ameaça, dando origem a uma intervenção armada. 

À esquerda, 27 de agosto. Estudantes na Praça Venceslau, Praga, erguendo uma bandeira com o nome do secretário geral checoslovaco Alexander Dubcek.

À direita, uma imagem emotiva de uma multidão em lágrimas a segurar flores, reunida em Praga para confrontar os invasores russos.

Tanques Russos T 55 nas ruas de Praga, quando os soviéticos tomaram o poder na Checoslováquia.
Estudantes a inspecionar um tanque.
Duas crianças brincam num tanque estacionado.
Militares descontraídos descansam nos seus jipes e tanques, mas sempre alerta.
Os soldados juntam-se aos manifestantes. A expressividade do olhar deste soldado mostra um nível de intimidade visual muito presente ao longo desta série de fotografias.
Os estudantes queimam jornais russos num ato de provocação pacífica. 
O povo de Praga na sua rotina diária com um tanque estacionado ameaçadoramente ao fundo.
Um grupo escuta atentamente a rádio na esperança de ouvir as últimas notícias sobre a invasão. 
Jovens checos em fúria atacam um tanque soviético.
Estudantes distribuem panfletos clandestinos na Praça Venceslau, em protesto contra a ocupação soviética do seu país
No funeral de uma das vitimas dos confrontos. Uma mulher de luto é o centro desta imagem sombria. A mão pálida e reconfortante no seu ombro parece intensificar a tristeza do momento. 
Destroços das barricadas.
Multidões na Praça Venceslau.
Multidões a assobiar em protesto contra a ocupação soviética. 
As tropas soviéticas marcham pelo centro de Praga. 
Uma imensidão de mãos, protestando contra a invasão.
Créditos: história

Curator - Archive Research Manager — Caroline Theakstone
Photographer - Reg Lancaster  Express Photos —

Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil