1955 - 1960

Julgamento por traição

Africa Media Online

156 sul-africanos acusados de alta traição

O julgamento por traição foi a resposta do regime do apartheid sul-africano à adoção da Carta da Liberdade, no Congresso do Povo, em Kliptown, em 26 de junho de 1955.

As 156 pessoas presas pelo regime do apartheid incluíam o então presidente do Congresso Nacional Africano (ANC), Chefe Albert Luthuli, Nelson Mandela e Walter Sisulu. 

Quase toda a liderança da Aliança do Congresso, constituída pelo Congresso Nacional Africano, o Congresso dos Democratas do Congresso Indiano Sul-Africano, o Congresso dos Mestiços e o Congresso Sul-Africano de Sindicatos, foram levados a julgamento.

Os 156 réus, que incluíram sul-africanos de todas as raças (em categorias do apartheid: 105 negros, 21 índios, 23 brancos e sete mestiços), foram acusados ​​de alta traição, uma acusação que levava à sentença de morte. Os julgados foram finalmente considerados "inocentes", mas alguns deles foram posteriormente condenados no Julgamento de Rivonia.

Os advogados de defesa dos réus foram liderados por Izrael Maisels e incluíram Bram Fisher. O bispo Ambrose Reeves, o autor Alan Paton e Alex Hepple, ministro do trabalho, a Dr. Ellen Hellman do Instituto de Relações Raciais e Julius First organizaram o Fundo de defesa do julgamento de traição sul-africano.

Uma consequência não planejada do julgamento foi a de que os líderes do movimento contra o apartheid passaram um tempo significativo juntos. Outra consequência foi que Oliver Tambo, que foi liberado por falta de provas, deixou a África do Sul e passou a coordenar a atividade da ANC no exílio, inclusive transformando a opinião pública internacional contra o apartheid.

Walter Sisulu chega ao julgamento
Nelson Mandela (terceiro a partir da esquerda) chega de ônibus
Um dos julgados por traição chega com escolta policial
Dentro do Tribunal de Drill, em Johannesburgo, onde o julgamento ocorreu
Os julgados por traição incluíam... Walter Sisulu
...Bertha Mashaba
...Joe Slovo
...Annie Silinga
...Ruth First
...Helen Joseph
Nelson Mandela e outros durante uma pausa para o almoço.
Apoio público para os réus
A presença da polícia durante o julgamento
Fim do primeiro round: para manter a forma, Nelson Mandela, advogado, ia ao ginásio de boxe de Jerry Moloi em Orlando todas as noites. Aqui, ele está treinando com Moloi (à direita), peso pena profissional.
Créditos: história

Photographs — Baileys African History Archive
Text — Baileys African History Archive and Africa Media Online 

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil