1955 - 1960

Julgamento por TRAIÇÃO

Africa Media Online

156 sul-africanos acusados ​​de alta traição

O Julgamento por Traição foi a resposta do governo do apartheid sul-africano à adoção da Carta da Liberdade, no Congresso do Povo, em Kliptown a 26 de junho de 1955.

As 156 pessoas detidas pelo governo do apartheid incluíam o então presidente do Congresso Nacional Africano (ANC), Chefe Albert Luthuli, Nelson Mandela e Walter Sisulu. 

Quase toda a liderança da Aliança do Congresso, constituída pelo Congresso Nacional Africano, o Congresso dos Democratas, o Congresso Indiano Sul-Africano, o Congresso das Pessoas de Cor e o Congresso Sul-africano de Sindicatos, foi levada a julgamento.

Os 156 réus, que incluíam sul-africanos de todas as raças (nas categorias do apartheid, 105 negros, 21 indianos, 23 brancos e 7 pessoas de cor), foram acusados ​​de alta traição, uma acusação que implicava a pena de morte. Os acusados foram finalmente declarados como "não culpados", mas alguns foram posteriormente condenados no Julgamento de Rivonia.

Os advogados de defesa dos acusados eram liderados por Maisels Izrael e incluíam Bram Fisher. O Bispo Ambrósio Reeves, o autor Alan Paton e Alex Hepple, um deputado trabalhista, a Dra. Ellen Hellman do Instituto de Relações Raciais e Julius First criaram o Fundo de Defesa do Julgamento Sul-africano de Traição.

Uma consequência não planeada do julgamento foi o facto de os líderes do movimento contra o apartheid terem podido passar um tempo significativo juntos. Outra consequência foi que Oliver Tambo, que foi libertado por falta de provas, deixou a África do Sul e começou a coordenar a atividade do ANC no exílio, virando, inclusive, a opinião pública internacional contra o apartheid.

Walter Sisulu chega ao julgamento
Nelson Mandela (terceiro a contar da esquerda) chega de autocarro
Um acusado de traição chega sob escolta policial
No interior do Drill Hall, em Joanesburgo, onde decorreu o julgamento
Os acusados de traição incluíam... Walter Sisulu
...Bertha Mashaba
...Joe Slovo
...Annie Silinga
...Ruth First
...Helen Joseph
Nelson Mandela e outros durante uma pausa para o almoço.
Apoio público aos acusados
Presença policial durante o julgamento
Fim do Primeiro Assalto - Para manter a forma, Nelson Mandela, advogado, frequentava todas as noites o ginásio de boxe de Jerry Moloi em Orlando. Aqui, é o parceiro de treino de Moloi (à direita), um peso pluma profissional.
Créditos: história

Photographs — Baileys African History Archive
Text — Baileys African History Archive and Africa Media Online 

Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil