1940 - 1962

Fotografia e arquitetura moderna no Brasil

Instituto Moreira Salles

Marcel Gautherot e Oscar Niemeyer

A relação entre fotografia e arquitetura moderna estruturou-se entre os anos 1930 e 1950 de maneira estreita e profunda.

Diversos arquitetos do período mantiveram um relacionamento prolongado com fotógrafos de sua predileção, como Le Corbusier e Lucien Hervé, na França, Richard Neutra e Julius Shulman, nos EUA, e Oscar Niemeyer e Marcel Gautherot, no Brasil.

A linguagem da fotografia moderna de arquitetura se consolida nos anos 1940 e diversos fotógrafos darão continuidade a esta relação paradigmática da imagem como mediadora da obra e do projeto arquitetônico.

[Construção dos Ministérios, Brasília]

Para ingressar nas correntes em voga do discurso arquitetônico, uma edificação precisava ser fotografada e publicada em revistas especializadas de arquitetura e design, canais de comunicação visual que cresciam em qualidade nesse período em função dos avanços da indústria gráfica no campo da rotogravura e da impressão em offset.

Para os fotógrafos precursores da fotografia de arquitetura no Brasil, em atividade entre as décadas de 1940 e 1960, como Marcel Gautherot,...

[Construção do Palácio do Congresso Nacional]

...Chico Albuquerque,...

[Lina Bo Bardi na Casa de Vidro]

[Edifício da Oca, em construção - projeto: O. Niemeyer]

[Edificio CBI Esplanada]

...Hans Günter Flieg,...

[Empresa Duchen-Peixe - projeto: O. Niemeyer]

[Parque Ibirapuera -ginásio]

...Thomaz Farkas...

[Edificio São Borja]

[Estádio do Pacaembu, São Paulo]

[Praia de Copacabana, Rio de Janeiro]

[Decoração em grade do Viaduto Santa Ifigênia]

Fachada lateral do edifício do Ministério da Educação e Saúde, Rio de Janeiro]

...e José Medeiros, a arquitetura moderna será também um dos principais motes para experimentações formais de composição geométrica, que marcarão a fotografia moderna no Brasil.

Marcel Andre Felix Gautherot foi o fotógrafo escolhido por Oscar Niemeyer para a documentação e interpretação fotográfica de sua obra arquitetônica.

[Palácio do Congresso Nacional, Brasília DF]

Gautherot nasceu em Paris em 14 de julho de 1910, filho de pai operário e mãe costureira. Sua instrução formal em artes e arquitetura inicia-se aos quinze anos...

...quando já então aprendiz de um arquiteto, ingressa em 10 de outubro de 1925 na Ecole National des Arts Decoratifs, atual Ecole National Superiore des Arts Decoratifs (ENSAD), no curso noturno de arquitetura (que não chegará a concluir).

Nos cinco anos seguintes, Gautherot desenvolverá sua formação acadêmica e prática de arquiteto e decorador, alinhado com a emergência do movimento moderno na arquitetura. 

O Pavilhão do “Esprit Noveau” projetado por Le Corbusier e Pierre Jeanneret para a Exposição de Artes Decorativas de Paris em 1925 marca a negação da arte decorativa e a afirmação da arquitetura como pura criação do espírito...

...baseada na harmonia de formas e na primazia da geometria e da funcionalidade, anunciando a moradia do futuro como uma “máquina de viver”.

Em 1930, Marcel Gautherot participa do Congresso de Sohlberg, encontro entre jovens estudantes franceses e alemães liberais, comunistas e socialistas, que se contrapõem ao nacionalismo crescente do período.

Seu “Discours sur l’architecture francaise”, um manifesto de princípios sobre a arquitetura de sua época, em grande parte extraído dos escritos de Le Corbusier e dos ideais da Bauhaus, é uma clara defesa do “esprit nouveau” e da arquitetura moderna.

[Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida]

A afirmação de Le Corbusier de que “a arquitetura é o jogo sagaz, correto e magnífico dos volumes reunidos sob a luz”, bem como seu entendimento da “luz como base da arquitetura”, relacionam-se diretamente com a afirmação posterior de Gautherot de que...

...“fotografia é arquitetura”, para quem inclusive  “uma pessoa que não entendesse de arquitetura não seria capaz de fazer uma boa fotografia”.

Esta convergência, portanto, entre fotografia e arquitetura...

[Palácio da Alvorada]

...baseada na luz como elemento estruturante e modelador das decisões formais e estéticas tanto do arquiteto como do fotógrafo...

...acompanhará a trajetória de Gautherot desde meados da década de 1930, quando passa a dedicar-se prioritariamente à fotografia, apontando permanentemente para esta forte sinergia entre a concepção de Gautherot sobre a fotografia e sua visão da arquitetura moderna, construída a partir dos princípios postulados por Le Corbusier.

[Cine Brasília]

Sinergia esta revelada plenamente no período de 1940 a 1960 em que Gautherot se consolida como o principal fotógrafo da arquitetura moderna no Brasil.

Depoimento de Oscar Niemeyer sobre Gautherot (2010): “Durante muitos anos, Marcel Gautherot foi nosso fotógrafo preferido.

Quantas viagens fizemos juntos por esse Brasil afora! Ele a fotografar os edifícios que projetávamos. Pampulha, Brasília, São Paulo...

Como nos dávamos bem e juntos ríamos, satisfeitos com esse velho e querido companheiro! E as fotos que fazia...

Como Marcel Gautherot sabia encontrar os pontos de vista adequados, os contrastes da arquitetura que tão bem compreendia!

Mas se ela o atraía, com que sensibilidade ele passou pela Amazônia a fotografar a riqueza daquelas áreas que a ele, como europeu, mais do que a nós, encantavam!

Um dia nosso amigo foi embora e com ele um pouco de todos nós.”

Créditos: história

Curator — Sergio Burgi
Assistant Curator — Joanna Balabram

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil