1994 - 1999

Nelson Mandela: anos presidenciais

Nelson Mandela Centre of Memory

"Meu empossamento como o primeiro presidente democraticamente eleito da República da África do Sul foi imposto a mim muito contra meu consentimento."

Nelson Mandela tornou-se presidente do Congresso Nacional Africano (CNA) em 1991. Ele liderou o CNA em negociações com o regime do apartheid e outras organizações políticas, o que culminou nas primeiras eleições democráticas da África do Sul, em 1994. O pleito foi vencido pelo CNA, e, em maio de 1994, Mandela tornou-se o primeiro Presidente da África do Sul eleito democraticamente. Desde o início, ele se comprometeu a servir como Presidente durante apenas um mandato. Em 1999, ele se retirou da política.

Em 16 de outubro de 1998, Nelson Mandela sentou-se a sua mesa, pegou um pedaço de papel azul e, com uma caneta, anotou, com mão forte e decidida, a data em algarismos romanos. Seguiu a anotação com o que era o título do trabalho: "Os Anos Presidenciais". Abaixo, escreveu "Capítulo um". Este foi o início de seu esforço para escrever a sequência de sua autobiografia "Um longo caminho para a liberdade".

Em certo momento, no topo da página, ele escreveu a palavra "Rascunho". O último ano de sua presidência, o envolvimento nas negociações de Burundi, as complicações políticas da época, as demandas de suas atividades de caridade e um fluxo incessante de visitantes prejudicaram o andamento do livro.

Seus assessores sugeriram que chamasse um escritor profissional para trabalhar com ele, mas ele recusou. Era muito reservado com o texto, preferindo escrever sozinho. Ele teve um assistente de pesquisa por um tempo, mas ficou impaciente com a situação. No final, ele simplesmente desistiu.

Trechos do rascunho estão impressos no livro "Conversas que Tive Comigo", publicado em 2010, e citações foram extraídas para o livro "Nelson Mandela Por Ele Mesmo: O Livro de Citações Autorizado", publicado em 2011.

"Estou empenhado em garantir que o presidente de um país como o nosso não viva de forma totalmente diferente do que a forma como as pessoas que o colocaram no poder vivem."

No projeto de sequência da autobiografia, Mandela escreve sobre como a presidência, que ele assumiu após as primeiras eleições democráticas do país, em 1994, foi "imposta" a ele, e como acreditava que uma pessoa mais jovem deveria assumir a responsabilidade. O que é igualmente notável é que, antes de ser empossado como presidente, Mandela decidiu servir por apenas um mandato. Essa decisão de sua parte é, talvez, um dos exemplos mais citados de como ele discordava de seus colegas de outros países africanos.

Nelson Mandela brinca fora de seu escritório na Cidade do Cabo, Tuynhuys, com o vice-presidente dos EUA, Al Gore, enquanto o vice-presidente sul-africano, Thabo Mbeki, observa.
DIÁRIO: 29 de agosto
DIÁRIOS: 11 a 13 de dezembro

Nelson Mandela usou suas agendas presidenciais como cadernos de notas e diários. Seu assistente pessoal fazia anotações sobre suas atividades, como festas para os veteranos da luta pela libertação, monumentos para heróis mortos, chás de angariação de fundos, trabalhos governamentais e, mais importante, "momentos de descanso".

Quando Mandela realmente usava suas agendas presidenciais era, principalmente, para tomar notas sobre a preparação de reuniões ou para anotar o que era dito por vários membros do Parlamento na Assembleia da República.

Na página marcada em 29 de agosto de 1995, a mesma página das estatísticas sobre o financiamento para o HIV/AIDS, ele escreveu esta nota:

"Programas responsáveis de educação sexual ​​são executados em escolas e centros de juventude. Duzentos táxis contra a 'AIDS' estão sendo dirigidos em Gauteng e KwaZulu/Natal e outros 50 em cada província."

Em seu diário de 1998, na página para 11-13 de dezembro, ele escreveu sobre como alguém teria que ter estado em uma prisão sul-africana para conseguir ver como as pessoas podem ser cruéis umas com as outras.

Nelson Mandela em uma reunião com, entre outros, o coronel Muammar Kadhafi e Yasser Arafat.
ESTADO DE SAÚDE: esta nota datilografada com um parágrafo riscado e substituído por um escrito à mão está no arquivo do Centro da Memória de Nelson Mandela.

Ao longo de seu mandato como presidente da África do Sul, Nelson Mandela sempre foi sincero quanto a sua saúde. Desde a época dos primeiros anos na prisão, ele se acostumou com os rumores sobre a piora de sua saúde. Como presidente, Mandela enfrentou todos os problemas de saúde de cabeça erguida, estivesse fazendo declarações para a imprensa ou aparecendo na mídia ao lado de médicos, sempre encarou esses desafios de modo aberto. Mandela chegou ao ponto de redigir uma declaração oficial a ser emitida acerca sua saúde em 22 de fevereiro de 1990. Essa nota, datilografada em um parágrafo riscado e substituído por outro com sua caligrafia, está alojada no arquivo do Nelson Mandela Centre of Memory.

DIA DOS NAMORADOS: Nelson Mandela reservou um tempo para escrever ao jovem jornalista que lhe perguntou se ele comemorava o Dia dos Namorados.

Em meio a um duro mandato como presidente da África do Sul, Nelson Mandela reservou tempo para escrever a um jovem correspondente que lhe perguntou se havia comemorado o Valentine's Day. Mandela respondeu em uma nota, datada de 13 de fevereiro de 1995, admitindo que não sabia nada sobre a data. Ele usou a carta para explicar seu passado e o fato de que só começou a receber lembranças do Valentine's Day depois de sua libertação, quando já estava com mais de 70 anos.

Nelson Mandela no início de uma visita de Estado às Filipinas (1º a 3 março de 1997)
Créditos: história

Photographer — Ardon Bar-Hama
Research & Curation — Nelson Mandela Centre of Memory Staff

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil