1994 - 1999

Nelson Mandela: Os Anos da Presidência

Nelson Mandela Centre of Memory

"A minha tomada de posse como primeiro presidente democraticamente eleito da África do Sul foi-me imposta muito contra a minha opinião."

Nelson Mandela tornou-se presidente do Congresso Nacional Africano (ANC) em 1991. Liderou o ANC em negociações com o estado do apartheid e outras organizações políticas, que resultaram nas primeiras eleições democráticas da África do Sul, em 1994. As eleições foram ganhas pelo ANC e, em maio de 1994, Mandela tornou-se o primeiro presidente democraticamente eleito da África do Sul. Comprometeu-se, desde o início, a servir apenas um mandato como presidente. Em 1999, deixou o cargo e retirou-se da política ativa.

A 16 de outubro de 1998, Nelson Mandela sentou-se à secretária, pegou numa folha de papel azul e com a caneta preferida escreveu, com uma mão forte e decidida, a data em algarismos romanos. Escreveu de seguida aquele que seria o título do seu trabalho: "Os Anos Presidenciais". Por baixo escreveu "Capítulo Um". Foi o início da tentativa de escrever a continuação da sua autobiografia, "Um Longo Caminho para a Liberdade".

A certa altura, na parte superior da página, escreveu a palavra "Rascunho". O último ano da sua presidência, o seu envolvimento nas negociações do Burundi, distrações políticas do momento, as exigências das suas obras de caridade e um fluxo interminável de visitantes frustraram o avanço do livro.

Os seus conselheiros sugeriram que arranjasse um escritor profissional para trabalhar com ele, mas recusou. Era muito protetor da sua escrita, querendo fazê-la sozinho. Teve um assistente de pesquisa durante algum tempo, mas esta situação provocou-lhe impaciência. Em última análise, perdeu simplesmente a energia.

Há alguns capítulos deste rascunho Continuação que foram impressos no livro "Conversas Comigo Mesmo", publicado em 2010 e foram retiradas citações desta obra para "Nelson Mandela por Ele Mesmo: O Livro Autorizado de Citações", publicado em 2011.

"Estou empenhado em garantir que o presidente de um país como o nosso não deve viver num estilo que seja totalmente diferente do estilo da maioria das pessoas que o colocaram no poder."

No rascunho da continuação da sua autobiografia, escreve sobre o modo como a presidência, que assumiu após as primeiras eleições democráticas do país em 1994, lhe foi "imposta" e que acreditava que uma pessoa mais jovem devia assumir essa responsabilidade.

O que é igualmente notável é que foi antes de ter tomado posse como Presidente que o Sr. Mandela decidiu cumprir apenas um mandato. Esta decisão é, talvez, um dos exemplos mais citados do modo como diferia dos seus homólogos noutros países africanos.

Nelson Mandela graceja fora do seu escritório na Cidade do Cabo, Tuynhuys, com o Vice-presidente dos EUA Al Gore, enquanto o Vice-Presidente da África do Sul Thabo Mbeki observa.
DIÁRIOS: 29 de agosto
DIÁRIOS: 11-13 de dezembro

Nelson Mandela utilizou os seus diários presidenciais como cadernos de notas e também como diários. Entretanto, o seu secretário pessoal fazia anotações sobre as suas atividades, tais como festas para os veteranos da luta de libertação, inaugurações de túmulos, chás de angariação de fundos, trabalho governamental e, mais importante ainda, "descanso".

Mandela utilizava as suas agendas presidenciais essencialmente para tomar notas para preparar reuniões ou para anotar o que os vários Deputados da Nação tinham dito na Assembleia.

Na página com a data de 29 de agosto de 1995, na mesma página das estatísticas sobre o financiamento para o VIH/a SIDA, escreveu esta nota:

"Os programas de sexo responsável ​​são realizados em escolas e centros da juventude. 200 táxis com "SIDA" estão a conduzir em Gauteng e KwaZulu/Natal e mais 50 em cada província".

"No seu diário de 1998, na página de 11 a 13 de dezembro, escreveu sobre como é necessário ter estado numa prisão da África do Sul para ver como as pessoas podem ser cruéis umas com as outras.

Nelson Mandela numa reunião com o coronel Muamar Kadhafi e Yasser Arafat, entre outros.
ESTADO DE SAÚDE: Esta nota digitada com um parágrafo riscado e substituído por outro escrito pela sua mão está guardada no arquivo do Nelson Mandela Centre of Memory.

Ao longo do seu mandato como presidente da África do Sul, Nelson Mandela foi franco acerca da sua saúde. Desde os seus primeiros anos na prisão, habituou-se a ouvir boatos acerca da sua saúde "em deterioração".

Como presidente, enfrentou frontalmente todas as perguntas sobre a sua saúde; quer ao emitir comunicados de imprensa ou ao aparecer na presença dos meios de comunicação ao lado dos seus médicos, era franco em relação a estes desafios. Chegou, inclusivamente, ao ponto de editar uma declaração oficial a ser emitida acerca da sua saúde a 22 de fevereiro de 1990. Esta nota digitada, com um parágrafo riscado e substituído por um escrito pela sua própria mão, está no arquivo do Nelson Mandela Centre of Memory.

DIA DE SÃO VALENTIM: Nelson Mandela despendeu algum tempo para escrever a uma jovem correspondente que lhe perguntou se ele celebrava o Dia de São Valentim.

No meio de um difícil mandato como Presidente da África do Sul, Nelson Mandela tirou uns momentos para escrever a uma jovem correspondente que lhe perguntou se celebrava o Dia de São Valentim.

Respondeu numa nota datada de 13 de fevereiro de 1995, admitindo que pouco sabia sobre isso. Usou a carta para explicar o seu passado e o facto de só ter realmente começado a receber cartões do Dia de São Valentim depois da sua libertação da prisão - quando já tinha chegado aos 70 anos.

Nelson Mandela no início de uma visita de Estado às Filipinas (1 a 3 de março de 1997)
Créditos: história

Photographer — Ardon Bar-Hama
Research & Curation — Nelson Mandela Centre of Memory Staff

Créditos: todos os meios
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes, podendo nem sempre refletir as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página Inicial
Explorar
Próximo
Perfil