Monet: a vila e o pitoresco

The National Gallery, London

National Gallery, Londres

Monet e a Normandia
Nascido em Paris, Monet (1840–1926) cresceu na Normandia, uma região no norte da França, rica em história medieval, com diversas construções históricas e paisagens rurais.

Ainda jovem, ele assimilou o conceito de paisagem "pitoresca", uma estética que surgiu na Inglaterra do século XVIII e que exaltava a beleza particular de construções antigas, contrastando com um cenário rústico. Monet pintou o litoral, o interior e as vilas da Normandia ao longo da carreira, intercalando a pintura com viagens longínquas.

Países Baixos
Monet geralmente buscava a estética pitoresca da região de origem durante as viagens ao sul da França e ao exterior (Londres, Veneza e Países Baixos).

Ainda relativamente no início da carreira, em 1871, Monet se hospedou por quatro meses em Zaandam, uma cidade ao norte de Amsterdã.

Alguns anos depois, ele retornou aos Países Baixos para visitar Amsterdã.

Como muitos outros visitantes, o artista ficou fascinado pelas casas coloridas e pelos moinhos da Holanda e usou essas formas e tonalidades peculiares nas composições.

Vétheuil
Em setembro de 1878, Monet e a família se mudaram para Vétheuil, uma vila da Normandia à beira do Sena, 90 quilômetros ao noroeste de Paris.

Lá, Monet alugou uma casa e pintou a vila, com a imponente igreja em estilo românico do século XIII, e os campos próximos da cidade. Veja no Street View acima o lugar exato em que Monet pintou a igreja.

Ele registrou a região em diferentes estações, desde o sol da primavera até a neve do inverno, pintando principalmente ao ar livre e dando atenção especial aos efeitos específicos da luz e do clima.

Varengeville
Nos anos de 1880, Monet continuou a viajar pela França. Em 1882, ele passou dois longos períodos na costa da Normandia, a oeste de Dieppe.
Em Varengeville, o artista pintou diversas vezes a pequena igreja de Saint-Valery do século XVI e um pequeno chalé com vista para o mar. Os tijolos vermelhos do chalé contrabalanceiam o verde da vegetação ao redor. Essas construções costeiras são pitorescas, e a exposição delas às intempéries agrega um elemento psicológico às pinturas de Monet.
A Riviera
Buscando o desafio de luzes mais intensas, Monet visitou as Rivieras Francesa e Italiana, aproveitando a crescente rede ferroviária europeia para viajar ao Mediterrâneo.

Trabalhando no litoral em 1884, Monet ficou fascinado pelas paisagens pitorescas próximas da fronteira, na Itália, tal como a espetacular ponte do século XV em Dolceacqua (na imagem).

Giverny
Na década de 1890, Monet planejou e construiu os famosos jardins aquáticos e de flores da casa dele em Giverny.

Um horticultor sagaz, ele criou o espaço "para dar prazer aos olhos e também para ter temas para pintar". Alterando o fluxo do Epte, um afluente do Sena, para que corresse pela propriedade dele, Monet transformou uma área pantanosa do outro lado dos trilhos do trem em um jardim aquático com uma lagoa, sobre a qual ele construiu uma ponte em estilo japonês. Esse jardim em Giverny se tornou o grande foco da arte do artista até a morte dele, em 1926.

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil