GEOLOGIA

Concreção Calcífera

As concreções calcíferas ocorrem em formas arredondadas e são encontradas em camadas argilosas. São segmentadas em compartimentos por fissuras de contração preenchidas por calcita, constituindo a septária. A coloração rósea é dada pela presença de óxido de ferro. Esta amostra foi coletada em 1870 por Antonio Carlos Melo, cientista do Museu Nacional, e provém da região entre os municípios de São Gabriel e Alegrete, Rio Grande do Sul.

Brecha sedimentar da Antártica

Rocha sedimentar de idade cretácica – formação Whisky Bay, Grupo Gustav, Bacia de Larsen – coletada na praia de Bibby Point, ao norte da Ilha James Ross, durante a primeira expedição de uma equipe de geólogos e paleontólogos do Museu Nacional à Antártica, em janeiro e fevereiro de 2007.

Amostra de Quartzo

Cristal romboédrico de quartzo, com 3 cm de largura por 8 cm de altura, sob massa de cristais de turmalina verde, com 24 cm de largura por 4 cm de altura.

Amostra doada pelo Presidente Getúlio Vargas ao Museu Nacional em 1940.


Concreção carbonática da Antártica

Concreção carbonática em arenito fino com laminações cruzadas, de idade cretácica – Membro Lachman Craigs, Formação Santa Marta, Bacia de Larsen –, coletada em Col. Crame, norte da Ilha James Ross, durante a primeira expedição de uma equipe de geólogos e paleontólogos do Museu Nacional à Antártica, em janeiro e fevereiro de 2007.

Amostra de petróleo de Lobato

Frasco com 40 cm de altura.

Vidro com amostra de petróleo do Poço de Lobato, perfurado em 1939 na Bahia, conhecido como o primeiro poço do Brasil a produzir petróleo. Embora tenha sido classificado na época da perfuração como "subcomercial", o petróleo proveniente desse poço incentivou o prosseguimento da pesquisa petrolífera na região do Recôncavo Baiano.

Amostra de Galena

Vários cristais cúbicos de galena, com tamanhos bastante variados, crescidos sobre rocha calcárea fina com 12 cm de comprimento por 8 cm de largura.

Coletado na Califórnia, nos Estados Unidos da América.


Amostra de Calcita

Cristais de calcita “dente de cão”, com 4 cm de largura e comprimento, incrustado sobre um cristal de galena de 5 cm de comprimento e largura.

Coletado na Califórnia, nos Estados Unidos da América.

Amostra de calcário pisolítico

A Bacia de São José de Itaboraí, localizada no município de Itaboraí, Rio de Janeiro, é uma das menores bacias sedimentares brasileiras e um dos mais importantes jazigos fossilíferos de idade paleocênica do Brasil e do mundo. Foi descoberta em 1928 e teve seus calcários explorados até o esgotamento pela indústria cimenteira. O calcário pisolítico, litologia mais notável da bacia, não é mais encontrado em afloramento.

Meteorido do Bendego

Constituído por uma massa compacta de ferro e níquel, é o maior meteorito brasileiro e um dos maiores do mundo. Foi encontrado em 1784 por um menino, Domingos da Motta Botelho, que pastoreava o gado em uma fazenda próxima à cidade de Monte Santo, no sertão da Bahia. A primeira tentativa de transportar o pesadíssimo bloco para a capital fracassou quando a carreta de madeira que o carregava desgovernou-se e caiu no riacho Bendegó. Desde 1888, encontra-se em exposição no Museu Nacional graças ao empenho do Imperador D. Pedro II, que tomando conhecimento de sua existência e importância científica, providenciou sua remoção para o Rio de Janeiro.

Meteorito Angra dos Reis

Sua queda, em janeiro de 1869, em frente à igreja do Bonfim, na Praia Grande, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, foi testemunhada por Joaquim Carlos Travassos e dois de seus escravos. Estes últimos recuperaram dois fragmentos a cerca de 2 metros de profundidade, um dos quais foi doado ao Museu Nacional. O meteorito Angra dos Reis deu nome a um novo grupo de meteoritos, os Angritos, considerados as rochas mais antigas do sistema solar.

Meteorito Pará de Minas

A amostra exibe a estrutura de Widamanstatten, típica de meteoritos metálicos quando atacados por ácido. Esta estrutura se forma em conseqüência de um resfriamento muito lento – cerca de 1º C a cada 1 milhão de anos – no núcleo de um corpo planetário provavelmente semelhante ao da Terra.

Credits: Story

DIRETORA
Claudia Rodrigues Ferreira de Carvalho


VICE DIRETOR
Renato Rodriguez Cabral Ramos


DIRETORES ADJUNTOS
Wagner William Martins
Lygia Dolores Ribeiro de Santiago Fernandes
Luiz Fernando Duarte


EQUIPE DE CRIAÇÃO / EXECUÇÃO
Antonio Ricardo Pereira de Andrade
Valéria Maria Fonseca de Lima
Marci Fileti Martins
Lydia Maria Gomes da Silva
Lorrana Gonçalves de Alcântara
Déborah Rezende Gouvêa
Christina Aparecida de Lélis

FOTOGRAFIA
Rômulo Fialdini
Valentino Fialdini

Credits: All media
The story featured may in some cases have been created by an independent third party and may not always represent the views of the institutions, listed below, who have supplied the content.
Translate with Google
Home
Explore
Nearby
Profile