Otto Stupakoff e a fotografia de moda: sua carreira internacional

Instituto Moreira Salles

Parte 2: a carreira internacional

NOVA YORK, 1965-1972
Após ensaiar um retorno aos Estados Unidos um ano antes, em 1965 Otto muda-se para Nova York, rompendo com sua trajetória pessoal e profissional no Brasil. Recomeça a carreira fotografando novamente capas de LP, desta vez para a Columbia Records. Realiza os primeiros trabalhos para a Harper’s Bazaar - a maior e mais antiga revista de moda norte-americana - inicialmente retratos, a convite da diretora de arte da revista, Bea Feitler. Neste período também lecionou fotografia na Parsons School of Design, instituição no histórico de grande parte dos designers e artistas mais renomados da época, inclusive no da própria Bea. Casa-se com a modelo Margareta Arvidsson, Miss Suécia e Miss Mundo 1966, com quem viria a ter dois filhos, Gabriela (1970), e Sef (1974).

A PRIMEIRA FOTO DE MODA PUBLICADA NO EXTERIOR
Em 1967, no centenário da Harper’s, Otto faz seu primeiro ensaio de moda para a revista, com Leslie Bogart, filha dos atores Humphrey Bogart e Lauren Bacall. A partir de então sua carreira editorial nos EUA se desenvolve rapidamente, passando a colaborar também em publicações como Look, Esquire e Glamour.

A INFLUÊNCIA DA CENA NORTE-AMERICANA
Ainda em 1967 Otto monta um estúdio no edifício do Carnegie Hall, onde manteve convivência com artistas como os fotógrafos Art Kane e Diane Arbus. A atmosfera daquele ano era a do alcance de um novo patamar na história da arte pela fotografia norte-americana e mundial. O MoMA inaugura no primeiro semestre New Documents, mostra capitaneada pelo curador de fotografia do Museu John Szarkowski, que reunia trabalhos de Diane Arbus, Lee Friedlander e Garry Winogrand. A exposição foi um marco na compreensão pelo grande público das mudanças pelas quais a fotografia passava naquele período. Tanto Arbus, quanto, e mais especialmente, Friedlander e Winogrand, irão influenciar o trabalho de Otto, em particular suas séries mais autorais que produziria até os anos 1980, em família ou em viagens à Ásia, à Europa e ao México.

Na temporada nova-iorquina Otto faz retratos de personalidades como Jack Nicholson, Leonard Cohen, Richard Nixon, Truman Capote, Tom Stoppard, Marisa Berenson, Sharon Tate, Omar Shariff, René d’Harnoncourt e Harold Pinter.

OTTO E A DIREÇÃO DE ARTE
Otto Stupakoff dizia que odiava diretores de arte. Na verdade odiava a ideia de alguém determinar o que o fotógrafo deveria fazer. Rejeitava qualquer amarra editorial ou comercial e chegava a desprezar aqueles que não atuavam como criadores, mesmo que em trabalhos comissionados. Considerava publicações e editores na medida em que colaboravam com ou limitavam o trabalho dos fotógrafos. Dos profissionais que conheceu ou de quem acompanhava a trajetória, tinha três em alta conta: Alexey Brodovitch, Henry Wolf e, acima de todos, a brasileira radicada nos EUA Bea Feitler, que admirava profundamente e de quem se tornou amigo. Não por acaso, Brodovitch e Wolf precederam Bea na direção de arte da Harper´s Bazaar. Otto citava uma cena vivida com ela que teria orientado toda sua carreira no mercado editorial: ao voltar insatisfeito de uma diária, Bea teria perguntado a ele por que fazer o trabalho mesmo sem gostar e, então, recebido a resposta: "eu não sabia que poderia recusar". Ao que ela vaticinou: "Não nos interessa um fotógrafo que não tenha controle total da criação". Sobre Brodovitch, mantinha-se entre a admiração e o ressentimento: o veterano teria dito ao brasileiro em início de carreira no exterior "você nunca será um fotógrafo de moda porque não ama cada dobra do vestido". Otto repetiu essa história em diversos depoimentos, ironizando o erro de avaliação, como que para deixar nas entrelinhas "quem estava certo, afinal?". Entre os fotógrafos, considerava como grande mestre o ucraniano Frank Horvat, pioneiro mundial na fotografia de moda que cunhou a célebre frase "Photograph is the art of not pushing the button", afirmação que poderia igualmente ter partido de Stupakoff.

Uma referência determinante nas imagens do universo feminino de Otto foi Balthus, o pintor francês de origem polonesa Balthasar Klossowski (1908-2001). Balthus inicia sua produção nos anos 1930 e viria a influenciar muitos artistas contemporâneos, especialmente com seus nus de mulheres na fase de transição para a vida adulta.

Bea Feitler (Rio de Janeiro, 1938-1982)
Biografia Bea Feitler_AIGA

Alexei Brodovitch (Rússia, 1898 - France, 1971)
Biografia Alexei Brodovitch_AIGA

Henry Wolf (Vienna, 1925 - Nova York, 2005)
Biografia Henry Wolf_AIGA

Frank Horvat (Abbazia, Itália (hoje Ucrânia), 1928-hoje), uma das grandes referências da fotografia clássica, começou a carreira como fotojornalista, inspirado pelos autores da agência Magnum. Na década de 90 migrou para o universo da imagem digital.
Frank Horvat official website

PARIS,1972-1975
Em 1972 Otto muda-se com a família para Paris. Segue trabalhando principalmente para a Vogue francesa, realizando editoriais de moda marcantes, como um número especial sobre Baden-Baden, na Alemanha, e em conjunto com os principais nomes da alta-costura e do prêt-à-porter, como Emanuel Ungaro, Christian Dior, Yves Saint Laurent e Givenchy. Produziu editoriais de moda ao lado dos fotógrafos Guy Bourdin, Frank Horvat, Helmut Newton e Philippe Halsman, entre outros. Essa intensa atividade para a Vogue, entre 1972 e 1975, o levou a ser listado no rol de fotógrafos que integraram a publicação Vogue 100: A Century of Style.

Margareta Arvidsson no primeiro editorial fotografado por Otto, para a Vogue França.

A principal influência declarada de Otto Stupakoff foi o fotógrafo francês Jacques Henri Lartigue. A inspiração pode ser percebida na constante busca pela naturalidade, nas cenas que ele conduzia o mais orgânica e improvisadamente que era possível, dentro de um contexto quase que de brincadeira - e para isso preferia os modelos com menos experiência. Outras grandes influências eram os pintores Paul Gauguin, Van Gogh, Henri Rousseau e Balthus.

Créditos: história

FASHION/IMS - from the Otto Stupakoff exhibition "Beauty and Anxiety": Instituto Moreira Salles Rio de Janeiro from December 13, 2016 through April 16, 2017
Curation: Sergio Burgi and Bob Wolfenson


Continue your visit in:
Part 1: Otto Stupakoff and Fashion Photography: The Early Days
Part 3: Otto Stupakoff and Fashion Photography: His Studio

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil