2016

Fit For a Queen: guarda-roupa de Sua Majestade, a Rainha Sirikit, criado por Pierre Balmain

Queen Sirikit Museum of Textiles

Detalhes dos elegantes trajes criados para Sua Majestade, a Rainha, pelo estilista Pierre Balmain

Fit For a Queen: guarda-roupa de Sua Majestade, a Rainha Sirikit, criado por Pierre Balmain
Em homenagem à auspiciosa ocasião do aniversário de 7º ciclo, ou 84 anos, de Sua Majestade a Rainha Sirikit, no dia 12 de agosto de 2016, o Queen Sirikit Museum of Textiles organizou a Fit For A Queen, uma nova exposição com foco na relação profissional de 22 anos entre Sua Majestade e o estilista francês Pierre Balmain. A exposição ficará aberta de 4 de agosto de 2016 até junho de 2018. Ela oferece aos visitantes a oportunidade de ver mais de 30 dos trajes mais elegantes diurnos, de gala e também os cocktail dresses de Sua Majestade, além dos acessórios usados com esses trajes e diversas malas personalizadas por Louis Vuitton para o casal real. A maioria dessas peças nunca foi exposta antes.
Por que Sua Majestade, a Rainha Sirikit, escolheu um estilista estrangeiro para criar seu guarda-roupa?
Em 1960, Sua Majestade, o Rei King Bhumibol Adulyadej, e Sua Majestade, a Rainha Sirikit, iniciaram uma histórica visita de Estado a 15 países ocidentais. A viagem foi a apresentação formal do Ocidente ao jovem casal real. Sua Majestade havia determinado que ela precisaria de um guarda-roupa ocidental moderno e adequado ao clima para a viagem de seis meses. Então, escolheu o renomado estilista de Paris, Pierre Balmain, para criá-lo.

Sua Majestade, a Rainha Sirikit, e Balmain

Balmain criou para Sua Majestade um guarda-roupa com vestidos diurnos, de gala, cocktail dresses e casacos para serem usados em, praticamente, qualquer ocasião. Ele conhecia os detalhes especiais das opções da Rainha e elaborou suas propostas de acordo com eles: seus vestidos deviam trazer a marca da elegância eterna e resistir ao risco de se tornarem antiquados.

Muitos de seus desenhos exclusivos foram um sucesso: casacos e vestidos com pequenos laços na frente ou atrás, faixas em estilo obi amarradas na cintura, efeitos drapeados nos quadris e na cintura, o uso abundante de laços, e grandes flores de seda nas lapelas ou corpetes.

Além de desenhar e fazer os vestidos de Sua Majestade, Balmain também era encarregado de coordenar as escolhas e compras de todos os acessórios dela. Para isso, ele trabalhava muito próximo tanto de fontes internas quanto de fontes externas. Os chapéus de Sua Majestade eram providenciados pelo departamento interno de chapelaria de Balmain e, geralmente, eram combinados com conjuntos específicos. Os casacos de pele, estolas e adornos em visom, chinchila e astrakan, usados em todo o outono e inverno na Europa, também eram feitos internamente pelo peleiro Claude Wittelson.

Pierre Balmain

Pierre Balmain nasceu em 1914. Ele abandonou os estudos em arquitetura para seguir seu eterno interesse por design de moda. Seu aprendizado em costura começou em 1934, quando foi contratado como designer junior pelo estilista Edward Molyneux, que, na época, estava no auge de sua carreira e era um dos principais exemplos de uma estética elegante, refinada e de bom gosto dos anos 1930. Balmain aprendeu com Molyneux por quatro anos. Sua própria avaliação era a de que Molyneux o havia inspirado com uma afeição eterna pela cor bege e com “o horror a detalhes espalhafatosos.”

Então, Balmain começou a trabalhar como estilista com Lucien Lelong. Mais um editor do que propriamente estilista, Lelong empregou Christian Dior e Balmain para desenharem as coleções da casa.

Ao final da Segunda Guerra Mundial, Balmain estava pronto para trabalhar sozinho. Ele encontrou um local na Rua François 1er, 44, no moderno 8º Arrondissement (onde ainda fica a sede da empresa). Aí, ele expôs sua modesta primeira coleção no dia 12 de outubro de 1945, “baseada no tema do luxo combinado à simplicidade, com um leve toque do Oriente”, um conceito que poderia ser aplicado, mais tarde, a uma grande parte de seu trabalho para Sua Majestade.

Nessa temporada, a paleta de Balmain enfatizava os tons de amarelo, marrom, cinza, vermelho-claro, diversas tonalidades de azul, além do branco e do preto, sozinhos ou combinados. Uma grande variedade de estampas surge, incluindo bolinhas, uma das preferidas de Balmain.

Traje tailandês

Balmain, juntamente com François Lesage, que havia fornecido os bordados para as roupas formais de Sua Majestade, continuou intensamente envolvido no desenvolvimento do estilo da Rainha.

Balmain desenhou as roupas em estilo ocidental para as contínuas viagens internacionais de Sua Majestade, e ele e Lesage logo começaram a fazer o traje nacional tailandês dela também.

Começando no início dos anos 1970, o trabalho de Balmain e Lesage progrediu para o desenvolvimento de estratégias para transformar as sedas de vilarejos tailandeses em trajes ocidentais modernos, que foram usados por Sua Majestade para promover o trabalho da SUPPORT Foundation.

Roupas para usar durante o dia
Sua Majestade e Balmain escolheram, principalmente, linhas claras para as roupas usadas durante o dia, uma abordagem que caiu muito bem para a figura pequena e esguia da Rainha.

Ternos em tons de pedras preciosas

Preferência de Sua Majestade

Seguindo a fórmula que combina saia e paletó de cor lisa com blusa estampada, este terno laranja traz uma blusa com um laço no pescoço. Era um dos preferidos de Sua Majestade.

Design exclusivo de Balmain

As amarrações de laços em blusas são a marca registrada do design de Balmain.

Um conjunto impressionante

O terno deste impressionante conjunto é aberto desde a omoplata até a bainha, permitindo ver de relance o vestido usado por baixo quando a pessoa se move.

Cocktail dresses
Os cocktail dresses de Sua Majestade eram, geralmente, masm sempre, feitos em cores mais sóbrias do que seus vestidos para o dia e exibiam silhuetas esguias e ao mesmo tempo bufantes

Cocktail dress, 1960

Balmain combinou os detalhes de diversos cocktail dresses bufantes de sua coleção Primavera de 1960 para fazer uma versão exclusiva para Sua Majestade.

O interessante é que Balmain apresentou um vestido surpreendentemente semelhante em sua coleção Primavera 1963, o que indica que os designs personalizados que ele desenvolveu para Sua Majestade também inspiraram suas coleções regulares.

Cocktail dress, 1960

Este vestido foi criado na primavera para ser usado em Nova York sob um casaco noturno laranja de seda tailandesa que não existe mais. Sua Majestade também o usou na França, sob um casaco branco de visom.

O vestido é feito de crepe com fios de seda e metal e bordado com contas e palha. O ilustrador Tod Draz criou um esboço desse vestido que foi publicado no jornal New York Times e destacava o estilo impecável de Sua Majestade.

Cocktail dress, ca. 1961

Georgette e crepe sob renda de algodão com
bordado de contas da casa Lesage. Com faixa de cetim.

A renda era um material famoso para cocktail dresses e trajes noturnos no início e meados dos anos 1960, e Sua Majestade os usou diversas vezes, nas versões clean e superenfeitada.

Cocktail dress, 1961

A “franja” que decora o vestido brilhante foi feita de tiras de cetim individualmente aplicadas ao pescoço e à cintura de um vestido tubinho.

Na primavera de 1961, Balmain usou a mesma técnica em vestidos semelhantes de diversas cores e estilos: vestidos tomara-que-caia e corte em viés e uma blusa para calças noturnas. Ao todo, eram oito variações.

Cocktail dress, 1964

O bordado intensamente texturizado que decora este tubinho básico traz uma estampa floral moderna com um toque tailandês, organizada de uma maneira que remete aos brocados franceses do século XVIII.

Esta combinação de influências do design tailandês e do design europeu é característica do trabalho de Balmain e Lesage para Sua Majestade.

Cocktail dress, 1967

Sua Majestade escolheu diversos trajes das coleções regulares de Balmain no início dos anos 1960. Cada vez mais peças de seu guarda-roupa eram personalizadas com o passar da década.

Este vestido, ainda mais bordado que o modelo das passarelas, parece ter sido o único da coleção Primavera de 1967 regular de Balmain que Sua Majestade, a Rainha, escolheu.

Vestidos de gala
Balmain fez diversos vestidos de gala de estilo ocidental para Sua Majestade com a moderna seda tailandesa, combinada com os tecidos do Ocidente.

Vestido de gala, 1960

Este vestido mostra a paixão de Balmain pelos modos e decoração europeus do século XVIII no estilo e na aplicação do bordado cheio de curvas e na silhueta de saia larga do vestido.

Vestido de gala, 1960

Feito de renda francesa ornamentada por Lesage, este vestido foi usado no ano de 1960 em passeios a banquetes, teatro e outros eventos formais na Bélgica, Alemanha, Noruega e Espanha e, mais tarde, na Tailândia.

Vestido de gala, 1960

Brocado de fios de seda e metal (phaa yok) e seda tailandesa. Embora Sua Majestade costumasse usar o traje nacional da Tailândia em eventos formais noturnos, Balmain também fez para ela diversos vestidos noturnos de estilo ocidental com os mesmos brocados tradicionais da corte tailandesa usados em seu traje nacional.

Vestido de gala, 1960

Embora Sua Majestade costumasse usar o traje nacional da Tailândia em eventos formais noturnos, Balmain também fez para ela diversos vestidos noturnos de estilo ocidental com os mesmos brocados tradicionais da corte tailandesa usados em seu traje nacional. Este vestido é um Phaa Yok com brocado de fios de seda e metal.

Vestido de gala, Marly, 1962

Vestido especial da coleção Primavera de 1962 de Balmain, o Marly foi retratado em revistas de moda e em diversos cinejornais, um dos quais está em exibição na galeria adjacente. Sua Majestade o levou em uma visita de Estado à Austrália e à Nova Zelândia em 1962 e o usou em seu país pelo menos até 1966.

Vestido de gala, 1963

Sua Majestade usou este vestido de corte simples e cheio de brilho pela primeira vez em Tóquio, em maio de 1963, durante uma visita de Estado ao Japão. A ocasião era um banquete organizado em homenagem do imperador Hirohito ao casal real.

Vestido de gala, 1969

O bordado original que Lesage desenhou para o corpete e as mangas dramáticas do vestido é um quebra-cabeças de peças irregulares com plástico brilhantemente colorido, ladeado por lantejoulas e contas cintilantes. A uma certa distância, o efeito é o de uma janela de vidro manchada.

Balmain fez, pelo menos, mais um exemplar deste modelo, o que indica que ele fazia parte da coleção regular do estilista e, sendo assim, não era um modelo exclusivo de Sua Majestade.

Traje nacional tailandês e seda SUPPORT
Balmain e Lesage trouxeram diversas variações aos oito estilos do traje nacional tailandês estabelecidos por Sua Majestade no início dos anos 1960.

Traje noturno em estilo tailandês, 1964

Corpete de seda tailandesa com bordado de lantejoulas. Saia com bordado de fios de seda e ouro (phaa yok). Balmain e Lesage começaram a fazer o traje nacional tailandês de Sua Majestade por volta de 1963, trazendo diversas variações aos estilos estabelecidos para as viagens de 1960. Desta vez, o vestido encomendado para uma visita oficial à Áustria acrescenta a seda tailandesa de cor lisa ao brocado usual, além de um segundo véu aos ombros e do bordado plano de lantejoulas.

Traje noturno em estilo tailandês, 1967

Vestido em jacquard e brocado de fios de metal com cristais, contas, lantejoulas e bordado em fios de prata para uma viagem oficial ao Irã, em abril de 1967.

Esta variação sem alças e com gola de estilo mandarim do traje tailandês é feita de seda europeia e brocado de fios de metal completamente escondido sob uma camada do bordado complexo que é marca registrada de Lesage.

Vestido para o dia, 1972

Este vestido simples é encantador, mas não tem os toques de mestre usuais de Balmain.

Ele pode representar uma de suas primeiras tentativas de trabalhar com o ikat de um vilarejo no nordeste da Tailândia, um tecido que se tornou a escolha característica de Sua Majestade, quando ele estava apenas começando a explorar o potencial de design do tecido.

Vestido de gala, 1979

Sua Majestade continuou colaborando com a casa Balmain. Este vestido é feito de ilk ikat (mat mii) com bordados de contas, lantejoulas, cristais e fios de seda.

Chapéus

Os preferidos de Sua Majestade

Muitos dos chapéus da rainha eram do modelo pillbox, um estilo sem bordas e que cobre bastante a cabeça, que ficava sobre a cabeça ou posicionado atrás da coroa. Entre os preferidos de Sua Majestade estavam os chapéus drapeados, de estilo turbante, dois dos quais estão retratados aqui.

Pillbox

A maioria dos chapéus era do modelo pillbox ou turbante; os chapéus maiores eram usados inclinados para trás para revelar, e não esconder, o rosto da rainha.

Os chapéus eram considerados um elemento obrigatório para um guarda-roupa real do Ocidente

O departamento interno de chapelaria da casa Balmain os fez para a maioria ou para todos os trajes diurnos que Sua Majestade, a Rainha, usou no ocidente durante esta década. Muitos desses chapéus combinavam com conjuntos específicos.

Calçados

Melhor sapateiro de Paris

O melhor sapateiro de Paris, Rene Mancini, especializou-se em sapatos feitos à mão para clientes particulares e diversos estilistas. É provável que tenha sido Balmain, encarregado de encomendar os acessórios de Sua Majestade para o guarda-roupa das viagens de 1960, quem o escolheu inicialmente como o sapateiro da Rainha Sirikit.

Sapatos para noite

Para eventos noturnos, a rainha gostava especialmente dos escarpins de couro metálicos com as pontas dos pés voltadas para cima, em estilo asiático, que estavam na moda no fim dos anos 1950 e início dos anos 1960.

A exposição "Fit For A Queen: Her Majesty Queen Sirikit’s Creations by Balmain'' poderá ser vista até junho de 2018. O museu fica dentro do complexo do Grande Palácio de Bangkok.

Queen Sirikit Museum of Textiles
Créditos: história

Créditos

Nossos agradecimentos às organizações e indivíduos a seguir,
pelo auxílio na criação desta exposição

Bureau of the Royal Household
Escritório do Secretário principal particular de Sua Majestade
Escritório do Secretário particular de Sua Majestade
Crown Property Bureau
Embaixadas reais da Tailândia em Berna, Haia, Londres, Paris e Roma
Suan Luang Rama IX Foundation
Pierre Balmain S.A.
49 Lighting Design Consultants Limited
Bangkok Post
British Pathé
CIDI Chanapatana
Condé Nast
Das Bundesarchiv
Final Cut
Gaumont Pathé Archives
Getty Images
Hampton Court Palace
Lesage
Louis Vuitton Malletier
Ovation Studio
Panasonic Siew Sales (Tailândia)
Pacific Intercommunication
River Books
Chirayu Isarangkun Na Ayuthaya
Thanpuying Oranush Isarangkun Na Ayuthaya
Thanpuying Charungjit Teekara
Thanpuying Supornpen Luangthepnimith
Jaranthada Karnasuta
Karoon Chandrangsu
Opas Sayasevi
Thanpuying Kenlong Snitwongse Na Ayutthaya
The late Thanpuying Karan Snitwongse Na Ayutthaya
Thanpuying Pungjit Subhamitr
Thanpuying Pharani Mahanonda
Khun Chantanee Thanarak
Khunying Uraiwan Svasdisant
Kim Atkinson
Hubert Barrère
Delphine Berthier
Julia M. Brennan
M.R. Narisa Chakrabongse
Peter Cope
Khon Darath
Gridthiya Gaweewong
Dale Carolyn Gluckman
The late Alain Hivelin
Lauren Klamm
Narongkorn Laosrisin
Kullawit Laosuksri
Florence Lesché
Bleue-Marine Massard
Ruetairat Nanta
Paisarn Piammattawat
Wisit Potiwat
Nat Prakobsantisuk
Sivika Prakobsantisukh
Kanlayarat Prasertboon
Prow Puttorngul
Scott Robinson
Armpaeng Saeai
Amy Sarabi
Parichat Saengsirikulchai
Bianca Scheer
Loubia Simon
Jirat Subpisankul
Elizabeth Helen Thompson
Tirapan Vanarat
Marie Wurry
Nita Yuvaboon

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil