Autorretrato com Macaco, 1945

Frida Kahlo pintou esse autorretrato em 1945, época em que seu renomado estilo artístico e técnico foi totalmente desenvolvido. Naquela época, a satisfação oferecida por sua carreira profissional estava contaminada por uma situação pessoal particularmente difícil. Seu relacionamento com Diego Rivera foi incrivelmente complicado e a sua saúde física deteriorou-se significativamente. A dor, a angústia e a extrema fadiga eram insuportáveis; tanto que, em junho de 1946, Frida passou por uma operação de coluna em Nova York. Infelizmente, a cirurgia não foi bem sucedida e marcou o que foi chamado de "o começo do fim".

Touch & Hold

Os famosos autorretratos de Frida foram uma saída para o seu mundo interior perturbado, no qual ela usou imagens para expressar e refletir sobre a sua realidade. Cada um tem seu próprio simbolismo, e o significado pode ser inferido através de certas pistas.

O autorretrato como uma máscara. O rosto de Frida não exibe abertamente a dor e a angústia latentes em seu trabalho; a sua expressão de pedra mascara todo sentimento. Em "La Máscara" (a máscara) de 1945, Frida resolveu pintar o sofrimento em seu rosto, mas ela fez isso engenhosamente usando uma máscara triste que chora lágrimas amargas e sufocadas.

O tronco da árvore morta. Uma árvore grande e seca é pintada sobre um fundo muito escuro, coberto com folhas. Na verdade, é um tronco de árvore - a parte do tronco que permanece presa às raízes quando a árvore é cortada. Nua, com seus poucos ramos quebrados restantes, alude à espinha quebrada da Frida e, acima de tudo, à morte. Troncos de árvores secos também aparecem em outra tela de 1945, chamado "Moisés o El Núcleo Solar" (Moisés ou o Núcleo Solar)mas desta vez com botões ternos, como se a vida estivesse surgindo da velhice. Em "Autorretrato com Mono" (Autorretrato com Macaco), Frida é uma daquelas árvores que, ao contrário das mencionadas, ainda não tem novos ramos que ofereçam nova vida.

O Vestido Tehuana. Como sempre, sua roupa escolhida é um bordado "huipil", a vestimenta tradicional das mulheres indígenas Tehuanas. Este é feito de veludo preto. A roupa Tehuana era a favorita de Diego, e era em si uma indicação de uma mulher forte, de estatura social igual ou superior a qualquer homem.

O penteado. O cabelo da Frida cai frouxamente atrás dela como um véu, enquanto o resto é recolhido em cima da sua cabeça, entrançado com uma fita verde.

A fita verde. Para Frida, o tom verde opaco reflete a cor das folhas e da tristeza: ela está de luto.

O pássaro monocelha. Acima dos seus traços tensos, oprimidos com moderação, está um dos atributos mais característicos da Frida: sua monocelha. Tão proeminente que se assemelha a um pássaro, representa Frida voando com as asas estendidas, finalmente livre.

O macaco. Frida tem um macaco-aranha como seu companheiro. Ela orgulhosamente apresentou seu macaco, Fulang Chang, em 1937 e passou a aparecer com macacos em 8 autorretratos. As criaturas a acompanham, envolvem-na e cruzam os longos braços sobre o peito, espelhando os xales que cruza sobre o corpo, ou os cintos de cartuchos usados ​​pelas mulheres lutadoras da Revolução Mexicana, chamados "Adelitas".

O pequeno alter ego. O macaquinho é pequeno, magro e peludo, muito parecido com Frida, e tem cabelos escuros como os dela. Seus penteados combinam também. Ele é um pequeno alter ego que conforta e cuida dela, por exemplo, removendo os espinhos em seu "Autorretrato con collar de espinas y colibrí" (Autorretrato com Colar de Espinho e Beija-Flor) de 1940. Aqui, ele se senta atrás dela e a apóia.

As pinceladas e a cor. Com cada delicada pincelada, Frida inevitavelmente registra, um por um, cada detalhe minucioso de si mesma e de seus arredores. Sua paleta é dominada por tons tristes, escuros, suaves e terrosos, enquanto as explosões de cor em seu vestido retratam a dor: o vermelho sangrento do padrão e o roxo das fitas, da mesma cor dos lábios.

A assinatura. As únicas pinceladas vibrantes usadas são aquelas em sua assinatura. Este não é um detalhe acidental; Frida não deixa nada ao acaso. Enquanto no resto da pintura ela se mostra escura, triste, rígida e dura, suas últimas pinceladas são vermelhas, evocando a vida, mas também sofrimento.

Frida se multiplica. Com o toco da árvore, o macaco, o vestido, o penteado e até o rosto tratados como amuletos, Frida se multiplica e se expande, espalhando-se em cada canto da pintura. Tudo isso se junta para criar uma de suas imagens mais devastadoras, tristes e angustiantes.

Frida no Museu Robert Brady. Esta pintura foi adquirida pelo colecionador Robert Brady, um verdadeiro amante de rostos em suas mais variadas expressões e formas. Brady a exibiu na Sala Amarela - que leva ao quarto dedicado a Josephine Baker - no prédio da Casa de la Torre em Cuernavaca. É decorado com fotos de mulheres ou pintado por mulheres, peças tribais africanas e móveis de madeira antropomórficos, tornando-se o local ideal para dar nova vida ao retrato da Frida.

Autorretrato com Macaco by Frida KahloMuseo Robert Brady

Créditos: história

Photography: Courtesy © Humberto Tachiquín Benito "Tachi" / Tachiphoto

Text: María Celia Fontana Calvo, Universidad Autónoma of the State of Morelos, Mexico

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Compartilhar esta história com um amigo
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil