Massacre de Sharpeville

A campanha não violenta para reverter apartheid começou aqui.

Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

"Este é o apelo que o povo africano estava esperando! Ele chegou! Na segunda-feira, 21 de março de 1960, lançamos nossa campanha positiva e decisiva contra as leis do passe neste nosso país." Assim falou Mangaliso Sobukwe, três dias antes de Sharpeville. A África do Sul iniciou uma nova fase em sua história.

Três dias depois, os líderes pan-africanistas começaram sua campanha não violenta para reverter o apartheid. Mangaliso Sobukwe esclareceu sua intenção em uma carta ao Comissário de Polícia: "Dei instruções rigorosas", disse ele, "não só para os membros da minha própria organização, mas também para os africanos em geral, que não devem se deixar ser provocados a tomar ações violentas por ninguém."

E assim, no dia marcado, segunda-feira, 21 de março, milhares de pan-africanistas foram à polícia sem seus passes e pediram para serem presos.

Seu objetivo era demonstrar a força da organização não violenta. Eles queriam tornar as leis do passe impraticáveis, no primeiro passo de uma longa campanha para conseguir "liberdade e independência" dos africanos em 1963.

A polícia foi pega de surpresa pela multidão de voluntários que pediu para ser presa. Em alguns lugares, os líderes foram detidos, em outros eles foram convencidos a voltar para casa. Tudo correu de acordo com o plano, e então, em Sharpeville, a tragédia ocorreu.

Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Pouco antes do massacre começar, um sarraceno passa por uma multidão de africanos que cantavam

Sharpeville massacre - how it began, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
,
Sharpeville massacre - how it began, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
,
Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Minutos depois, algumas dessas pessoas estão mortas

Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Pessoas choram pelos mortos

Sharpeville massacre - how it began, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

As multidões correm em pânico em meio ao tiroteio

Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações
Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
,
Five Months Nightmare, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
,
Five Months Nightmare, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Os feridos são ajudados 

Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Foi oficialmente anunciado que 67 africanos foram mortos e 186 foram feridos, depois que a polícia abriu fogo contra a multidão.

Sharpeville Funeral, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Embora fosse o PAC que assumisse a liderança na campanha lei antipasse, foi o Chefe Albert Luthuli do ANC que pediu aos africanos para considerarem o 28 março como um dia de luto. Os líderes do PAC apoiaram esse movimento, e os africanos responderam com unanimidade.

Sharpeville massacre, 1960-03-21, Fonte original: Baileys African History Archive
Mostrar menosMais informações

Depois do protesto do povo, do massacre de Sharpeville, de 20.000 pessoas serem detidas, depois de 156 dias de pesadelo, o Governo fechou mais um capítulo na história do nosso país. Não deveria haver nenhuma mudança. Apartheid e baaskap eram definitivos."

Créditos: história

Text—Drum Magazine / Baileys African History Archive and Africa Media Online

Créditos: todas as mídias
Em alguns casos, é possível que a história em destaque tenha sido criada por terceiros independentes. Portanto, ela pode não representar as visões das instituições, listadas abaixo, que forneceram o conteúdo.
Ver mais
Tema relacionado
Nelson Mandela: 32 Years of Freedom
Celebrating Madiba's return
Ver tema
Google Apps