Editorial Feature

Frida: Fusão da "Mexicanidade" com o Socialismo

O historiador Alejandro Rosas sobre como o trabalho da artista foi influenciado pela revolução mexicana

Quando falamos sobre Frida Kahlo, o equívoco mais comum é a associação do seu trabalho com a Revolução Mexicana. Nada poderia estar mais longe da verdade: a essência da Frida não vem do conflito armado, mas sim do México que emergiu depois.

Ela tinha quase 4 anos quando Porfirio Díaz renunciou ao cargo de Presidente do México, em 1911; ela tinha quase 6 anos quando o presidente Francisco Madero foi assassinado, em 1913; e ela tinha 7 anos quando as forças constitucionalistas derrotaram Victoriano Huerta e ocuparam a Cidade do México, em 1914. Frida Kahlo completou 10 anos em 1917—o mesmo ano em que a nova constituição foi estabelecida, finalmente consagrando todos os princípios que formaram a base ideológica do conflito armado.

A Revolução Mexicana foi um pesadelo que acompanhou Frida ao longo da sua infância; uma sombra que cobriu sua vida pessoal e familiar, criando uma sensação de desconforto e incerteza. Foi uma série de notícias isoladas que eram rapidamente esquecidas em face das suas lutas diárias.

Frida Kahlo aged 4 by Guillermo Kahlo (From the collection of Museo Casa Estudio Diego Rivera y Frida Kahlo)

A Casa Azul recebeu Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderón em 6 de julho de 1907. Naquela época, Coyoacán era uma pequena cidade nos arredores da Cidade do México—um local de descanso e relaxamento que guardava sua sensação de tranquilidade, mesmo após a revolução ter eclodido, em 1910.

Diante disso, Coyoacán deveria ter sido o lugar perfeito para uma infância feliz, mas a dor e o sofrimento marcaram a vida de Frida desde muito jovem. Em 1913, ela contraiu a poliomielite, uma condição que minou o seu espírito e sua confiança, até porque recebeu o apelido de "Frida Perna de Pau" na escola. A doença a isolou do mundo exterior. Diante dos insultos insuportáveis, ela inventou um amigo imaginário que a acompanhou em sua dor. A condição foi cuidadosamente administrada, mas suas consequências devastadoras foram irreversíveis. Sua perna direita sofreu danos severos e duradouros.

Coyocán (From the collection of Archivo General de la Nación - Mexico)

As finanças da família também sofreram com o progresso da revolução e houve momentos em que tiveram que hipotecar a casa, vender seus móveis e até mesmo alugar quartos apenas para sobreviver. Anos mais tarde, a pintora se lembraria da época, por volta de 1915, quando as tropas do Emiliano Zapata patrulhavam Coyoacán e testemunhou vários confrontos entre os partidários de Zapata ("Zapatistas") e os de Venustiano Carranza ("Carrancistas"). "Minha mãe", recorda Frida, "abria as janelas da “Calle de Allende” para deixar os zapatistas entrarem. Ela se certificava de que os feridos e os famintos pulassem pelas janelas da casa e entrassem na sala de estar. Lá, ela cuidava deles e os alimentava com tortilhas de milho, que eram a única coisa que havia para comer em Coyoacán naquela época... "

A família Kahlo vivenciou a Revolução Mexicana como a maioria dos 15 milhões de habitantes do país em 1910: como testemunhas, por acaso, tentando manter a normalidade tanto quanto possível. No momento em que o combate armado chegou ao fim, em 1917, a revolução não significava nada para Frida: ainda era um movimento muito pequeno, e os nomes que mais tarde se tornariam lenda—Madero, Carranza, Villa, Zapata—tinham pouco significado para ela.

Self-portrait on the Borderline between Mexico and the United States by Frida Kahlo (From the collection of Detroit Institute of Arts)

A revolução foi a precursora da "Mexicanidade". No início da década de 1920, pela primeira vez em toda a sua história independente, o México pôde se ver com clareza: descobriu suas raízes e sua própria história, sua comida, seus aromas e cores, seus rostos e diferentes tons de pele e sua música, folclore, costumes e tradições. Foi um renascimento nacionalista e o surgimento de uma identidade cultural.

A fascinação pela cultura francesa de Porfirio Díaz não deixou nenhum grande legado. Em 1921, através do Ministério da Educação Pública, José Vasconcelos lançou uma cruzada baseada na ideia da "Mexicanidade", para a qual ele convocou escritores, artistas e músicos. Ele ofereceu as paredes das igrejas, edifícios públicos e escolas para pintores contarem a história do México. Essas paredes foram preenchidas com símbolos mexicanos: flora e fauna, vulcões, lagos, céus, vestimentas nacionais e diferentes etnias, e todos com uma visão particular da história do país.

Portrait of Frida Kahlo on the patio of her house (From the collection of Archives of American Art, Smithsonian Institution)

Pode-se dizer que Frida Kahlo descobriu o México em 1922, quando ingressou na "Escuela Nacional Preparatoria" (Escola Nacional Preparatória) como uma das 35 mulheres que se matricularam na renomada instituição. Com uma paixão adolescente, ela absorveu toda essa cultura mexicana: um nacionalismo que começou com a Revolução Mexicana, mas foi muito além disso.

Naquela época, ela sequer se considerava uma artista, mas não havia como escapar da mexicanidade que tomava o país sob o governo de Álvaro Obregón, manifestando-se em todas as áreas do conhecimento e da educação. Não foi a revolução que inspirou Frida, mas a próprio mexicanidade - que acabou por se tornar parte da sua consciência.

Frida Kahlo's funeral with her coffin covered with a communist flag (From the collection of Museo Casa Estudio Diego Rivera y Frida Kahlo)
Diego and Frida at an demonstration (From the collection of Museo Casa Estudio Diego Rivera y Frida Kahlo)

Paralelamente a essa mexicanidade, os pensamentos de Frida e suas ideias sobre o mundo também foram influenciados por uma ideologia que atingiu o auge da popularidade no início da década de 1920: o socialismo. Seus princípios chegaram ao México alguns anos antes e vários dos principais ideólogos da Revolução Mexicana espalharam secretamente sua mensagem. No entanto, o triunfo da Revolução Russa em 1917 e a criação da União Soviética em 1922 deram-lhe força definitiva. Não foi coincidência o Partido Comunista Mexicano ter sido fundado em 1919. Tampouco foi por acaso que, no funeral da Frida em 1954 no Palacio de Bellas Artes (Palácio de Belas Artes), Diego colocou a bandeira do partido comunista em cima do seu caixão.

Frida assimilou os princípios socialistas, que dialogavam com a teoria nacionalista da época. Ela participou de grupos como o "Los Cachuchas" na "Escuela Nacional Preparatoria" (Escola Nacional Preparatória) e depois ingressou na Liga dos Jovens Comunistas por volta de 1927. Daquele momento em diante, a mexicanidade e o socialismo moldaram o pensamento da Frida até o final da sua vida. Isso foi reforçado por seu intenso relacionamento com Diego Rivera - comunista de corpo e alma - quem ela conheceu em 1928.

No entanto, a mexicanidade, o socialismo e até um pouco da Revolução Mexicana não foram a maior fonte de inspiração de Frida. A origem da sua criatividade remonta a 1925, quando o ônibus em que estava voltando para casa um dia foi atingido por um bonde. Seu corpo fraturado encheu sua vida de dor até o fim de seus dias.

Self-portrait with Red Cap by Frida Kahlo (From the collection of Museo Dolores Olmedo)
Diego and Frida heading the Delegation of the Union of Painters, Sculptors and Revolutionary Recorders (From the collection of Museo Casa Estudio Diego Rivera y Frida Kahlo)
Por Alejandro Rosas
Compartilhar esta história com um amigo
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil