EDITORIAL FEATURE

Como a arte popular diferencia Frida?

Por Juan Rafael Coronel Rivera, o neto de Diego Rivera

 
O principal elemento que diferencia os países latino-americanos do restante do mundo é a riqueza cultural com que as primeiras civilizações contribuíram para o desenvolvimento moderno. Faça um passeio pelas ruas de Mérida, Chichicastenango ou Otavalo e você descobrirá uma mistura completamente única de identidades. Essa malha social distintiva é personificada pela mestiça de Yucatán, vestida com trajes tradicionais cheios de bordados requintados e que fala a língua maia em um smartphone moderno: um sinal evidente de que ela conseguiu manter todas as crenças culturais tradicionais e, ao mesmo tempo, integrá-las à vida cotidiana do século XXI.

Esse mesmo fenômeno é ilustrado na arte de Frida Kahlo. Filha do fotógrafo alemão Guillermo Kahlo com a esposa nascida em Oaxaca, Matilde Calderón, Frida cresceu com duas influências étnicas diferentes: ela representa a união das culturas tradicionais tanto do pai quanto da mãe. As primeiras obras de Frida são uma evidência dessa síntese cultural, que deu forma à arte única da pintora e foi mantida durante toda a carreira dela.

Matilde Calderón and Guillermo Kahlo, by Guillermo Kahlo (From the collection of Museo Frida Kahlo)

Em 1927, aos 20 anos de idade, Frida sabia que desenvolveria um trabalho criativo como artista visual. É importante notar que ela não se concentrou apenas na pintura. Influenciada pelo pai e, particularmente, pela fotógrafa italiana Tina Modotti, ela também trabalhou profissionalmente no ramo da fotografia.

Na época em que se estabeleceu na carreira escolhida, ser uma artista mulher já era um ato de transgressão por si só e, para piorar, o estilo de pintura dela não era tão bem compreendido pelo público mexicano.

Pancho Villa y la Adelita, by Frida Kahlo, 1927 (From the collection of Museo de Arte de Tlaxcala)

Uma das pinturas de Frida, "La Adelita, Pancho Villa, y Frida" (1927), é um exemplo de como Frida incorporava as tradições familiares à arte. Nessa tela a óleo, Kahlo emprega um estilo artístico visto pela primeira vez na Europa, em 1909: o futurismo. Esse movimento de vanguarda chegou ao México em 1921, onde ficou conhecido como "estridentismo", e Frida era a única pintora que usava esse estilo nas obras que criava.

Para Kahlo, não havia nenhum tabu com relação aos pioneiros europeus ou às inovações técnicas, porque o pai dela, como fotógrafo, sempre esteve atualizado quanto aos desenvolvimentos mais modernos do ramo da fotografia. As culturas europeias e ocidentais faziam parte do cotidiano na casa de Frida. O pai dela tinha um estúdio comercial, onde usava longos tecidos como pano de fundo para os retratos dos clientes. Na maioria das vezes, os tecidos representavam os cenários de neve da Baviera, que Frida ajudava a pintar. O pai de Frida conseguia recriar esses cenários com muita familiaridade, uma vez que passou a juventude na Baviera, antes de emigrar para o México.

Portrait of my Father Wilhelm Kahlo, by Frida Kahlo, 1952 (From the collection of Museo Frida Kahlo)
Matilde, Adriana, Frida and Cristina Kahlo, by Guillermo Kahlo, 1916 (From the collection of Museo Frida Kahlo)

Essas experiências eram igualmente acompanhadas pelas nostálgicas recordações da mãe de Frida sobre as tradições indígenas do estado de Oaxaca. Matilde tinha fotos de toda a família vestida no estilo tradicional de Juchitán ou de Tehuantepec. Entre os pertences da mãe estavam alguns sinos de argila preta, que Frida usava como uma metáfora para descrevê-la. A cozinha se enchia com o aroma do molho negro apimentado, o "mole", das "tlayudas" (uma tortilha ao estilo de Oaxaca) e do espesso chocolate quente acompanhado de pão doce.

Family portrait (Unfinished), by Frida Kahlo, 1949 - 1950 (From the collection of Museo Frida Kahlo)

A nostalgia regional incutida pela mãe também pode ser apreciada nessa tela: é o exemplo perfeito da tradição dupla encontrada com tanta frequência nas pinturas de Frida. Embora tenha adotado uma estética europeia, ela também incorporou todo um conjunto da iconografia do folclore mexicano. O simbolismo do vulcão Popocatépetl remonta à mitologia náuatle. As "adelitas" eram mulheres indígenas que seguiam os parceiros (camponeses de todo o país) para lutar pela revolução. Esse sincretismo dá à obra de Kahlo um impacto visual único.

Family of Matilde Calderón y González, by Ricardo Ayluardo, 1890 (From the collection of Museo Frida Kahlo)

Frida era fã de arte popular durante a juventude, mas só veio a entendê-la completamente depois de se casar com Diego Rivera, em 1929, porque ele era um admirador indiscutível da manifestação indígena. Depois de se casar, Frida começou a incorporar uma série de elementos às obras que logo se tornariam marca registrada, como as esculturas de papel machê feitas para a Semana Santa, conhecidas como "Judas".

Frida and Diego Rivera, by Frida Kahlo, 1931 (From the collection of San Francisco Museum of Modern Art)

Uma das escultoras mais importantes provenientes do México foi Carmen Caballero Sevilla, que criou os "Judas" mais extraordinários dessa época e que era uma grande amiga de Frida e Diego. Outro escultor notável e amigo do casal foi Pedro Linares, um pioneiro da arte popular conhecida como "alebrijes": esculturas de criaturas mitológicas híbridas.

Alebrije [highly coloured Oaxacan-Mexican folk art sculpture], by Pedro Linares (From the collection of National Museum of Death)
Studio of Frida Kahlo, by Guillermo Zamora, 1950 (From the collection of Colección Blaisten)

Um dos passeios visuais mais interessantes que você pode fazer na Casa Azul (o Museu Frida Kahlo) é observar cada peça de arte popular em exposição. Elas contam sobre as viagens de Frida, bem como sobre todos os artistas de arte popular que ela admirava e com os quais tentou, algumas vezes com sucesso, fazer amizade. Também em exibição na casa estão obras-primas de Modesta Fernández, Candelario Medrano e Herón Martínez, todos gênios da escultura, cada um pelos próprios méritos. O trabalho deles deve ser reconhecido como obras de mesma relevância estética que qualquer peça de Frida ou de Diego.

Museo Frida Kahlo, Mexico City
Compartilhar esta história com um amigo
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil