EDITORIAL FEATURE

Por que a moda é importante

Professora Frances Corner sobre a importância da moda

A moda é importante. Para a economia, para a sociedade e para cada um de nós pessoalmente. Antes de qualquer outra coisa, o que vestimos diz quem somos ou quem queremos ser.


Mas a moda é muitas vezes vista como um setor frívolo, vão e efêmero. Muitas pessoas não conseguem perceber como esse setor é importante e abrangente.


No mundo todo, o setor é avaliado em US$ 3 trilhões. No Reino Unido, a moda vale £ 26 bilhões para a economia. É a segunda maior atividade econômica mundial com relação à intensidade de comércio, empregando mais de 57 milhões de pessoas nos países em desenvolvimento, 80% das quais são mulheres.

Bordadeiras de Lambani em Sandur, Karnataka, 2006 (da coleção de JD Centre of Art)

Quem disse que a moda não é importante?

Como a maioria dos outros setores globais, a moda tem seu lado negro. A exploração de costureiros, a falta de diversidade e os danos ambientais continuam sendo os principais problemas a serem resolvidos pelo setor. Mas esse vasto setor criativo tem potencial para iniciar mudanças significativas.

Apesar das falhas, uma das coisas que a moda pode fazer é espalhar uma ideia de maneira muito poderosa, com coerência e com a importante sensação de impressionabilidade. Um exemplo disso é o projeto Catalytic Clothing, do professor de química Tony Ryan e da professora e mestre em bioética Helen Storey, que explorou como os materiais têxteis podem ser usados como uma superfície catalítica para purificar o ar. Eles desenvolveram e criaram o vestido catalítico "Herself", que foi impregnado com um fotocatalisador que utiliza a luz para quebrar a poluição transmitida pelo ar em produtos químicos inofensivos.

O "Herself" foi apresentado em um tour pelo mundo para divulgar o projeto Catalytic Clothing e mostrar aos moradores de centros urbanos de todo o mundo a noção de que roupas e materiais têxteis podem desempenhar um papel vital na melhoria do ambiente urbano e da saúde daqueles que nele vivem.


Esse projeto ilustra como a moda está colaborando com a ciência, a engenharia e a tecnologia para criar um novo futuro em que ela tenha uma influência positiva sobre o meio ambiente, a sociedade e a nossa saúde.


O vestuário é vital para as nossas necessidades mais básicas de calor e proteção, mas estamos começando a perceber que o papel da moda na nossa saúde e no nosso bem-estar vai bem além disso. Já vimos um sutiã desenvolvido com a capacidade de detectar tumores antes de exames de mama ou mamografias e meias inteligentes que usam sensores de temperatura para monitorar a saúde dos diabéticos.


À medida que os materiais têxteis eletrônicos são desenvolvidos com a capacidade de coletar e transmitir dados e armazenar e conduzir energia, podemos desenvolver roupas que nos ajudarão a gerenciar mudanças significativas nas nossas informações demográficas. Um bebê nascido no Reino Unido hoje provavelmente viverá até os 103 anos. Assim, precisamos equilibrar a expectativa de vida com a qualidade de vida real. A integração da tecnologia no tecido das nossas vidas vai nos ajudar se as roupas forem mais fáceis de serem colocadas, monitorarem a temperatura do corpo, ajudarem a administrar medicamentos ou nos conectarem mais facilmente à nossa família.

MA Fashion Futures, 2016 (da coleção da Faculdade de Moda de Londres)

Colocando a criatividade e as técnicas da moda para trabalhar em prol de questões sociais ou de saúde, estamos começando a ver a moda como algo menos frívolo e mais como uma ferramenta séria que todos podemos usar para melhorar nossas vidas.


Embora os desenvolvimentos tecnológicos sejam, sem dúvida, emocionantes, há também um lado humano nas roupas que está se tornando cada vez mais relevante em uma era virtual. As roupas contêm memórias e refletem nossa personalidade. Como todos nós temos e vestimos roupas, elas podem agir como um veículo para falar sobre nossas vidas.


Alison Moloney, curadora da Faculdade de Moda de Londres, mostrou esse potencial das roupas na exposição "Cabinet Stories" que foi exibida em um presidio feminino, uma unidade de saúde mental e um lar para idosos. Nesses lugares, as pessoas foram convidadas a selecionar itens de vestuário que foram particularmente significativos para elas, e essas histórias e as fotos da roupa passaram a fazer parte da exposição.

Cabinet Stories Silk Court (da coleção da Faculdade de Moda de Londres)

Não é apenas o ato de usar roupas que pode criar relacionamentos, mas também a produção da roupa em si. Um exemplo excelente disso é o projeto "1000 Coats" da artista Whitney McVeigh que mostrará 100 mulheres de diferentes formações costurando 10 casacos cada uma. Como parte do projeto, há workshops que ensinam mulheres a costurar, proporcionando novas habilidades para elas e, ao mesmo tempo, incentivando-as a trabalhar juntas como parte de uma comunidade e formar novas parcerias.


A moda tem a capacidade de mudar e dar sentido à vida graças à conexão pessoal que tem com todos nós. Todos nós precisamos usar roupas, e cada peça que compramos representa uma escolha pessoal. Essa relação intrinsecamente humana entre nós e nossa moda que transforma a questão em algo político. Não importa se você está vestindo um gorro rosa de tricô em uma marcha, um vestido que expressa suas crenças ou usando sua empresa para melhorar as condições de trabalho; a moda pode desempenhar um papel significativo na articulação das suas crenças.

PussyHat, 2017 (da coleção do The Strong National Museum of Play)

O que escolhemos para vestir reflete como vemos o mundo e como queremos que o mundo nos veja. O homem da Idade da Pedra com lascas de pedra, a mulher do pós-guerra com o New Look da Dior, o último blog de moda que registra o estilo de rua... Tudo tem relação com a necessidade humana de expressar individualidade.

A moda foi e sempre será uma parte constante da nossa existência. Muitas pessoas encaram a moda como efêmera e frívola, mas eu a vejo como um setor criativo, empreendedor e multifacetado que é vital para nosso bem-estar econômico e pessoal. A moda realmente importa.

Professora Frances Corner

Frances Corner, professora e OBE (Oficial da Ordem do Império Britânico), é diretora da Faculdade de Moda de Londres e vice-chanceler da Universidade de Artes de Londres. Frances tem mais de 20 anos de experiência em ensino superior em nível nacional e internacional. Ela defende o uso da moda como agente de inovação e mudança, particularmente, nas áreas de sustentabilidade, saúde e bem-estar. Ela foi mencionada, por dois anos consecutivos, no Business of Fashion 500, um índice profissional de pessoas de grande importância na formação do setor da moda global, e é autora de "Why Fashion Matters" (Editora Thames & Hudson).

Words by Frances Corner
Compartilhar esta história com um amigo
Traduzir com o Google
Página inicial
Explorar
Por perto
Perfil