Loading

Documents from Gilberto Gil's Private Archive

Instituto Gilberto Gil

Instituto Gilberto Gil
Brazil

Details

  • Title: Documents from Gilberto Gil's Private Archive
  • Transcript:
    22 Uma imagem emocionante foi o senhor e o presidente Lula na África, dançando. Pela pri- meira vez um ministro da Cultura em todo o rigor formal, ao mesmo tempo num ritual in- comum. O ministro deu espaço ao artista. É natural. Não gosto que a farda de ministro iniba o indivíduo. Invoco testemunhos de cole- gas meus. Um foi o [Antônio Nóbrega. Na Or- dem do Mérito, na hora em que recebeu a co- menda, dançou e me chamou. Depois me disse: "Fiz questão de fazer aquilo e acho fundamen- tal que você tenha colocado essa coisa do cor- po na sua gestão. Você não é um político con- ceitual. Você bota seu corpo. Você dança, você canta." Outro foi o Djavan: "Você trouxe alegria para o Ministério. Você chupa cana e assovia." Encarno essa percepção quando não deixo o protocolo ministerial inibir o artista e o ser hu- mano. Fico ali o mais íntegro que posso. O secretário-geral da ONUJ Kofi Annan sabe tocar conga? (risos) Não, não sabe. Mas está no sangue. Ele é afri- cano. É como aqui. Se você botar um tambor na mão de 90% das pessoas, alguma coisa acontece. Foi engraçado. Cruzei com ele, dis- se: "Secretário, posso lhe chamar no final?" "Mas pra quê?" "Pra tocar alguma coisa com a gente." "Vamos ver, vamos ver." O que me le- vou a chamá-lo. Aí apontou para uma conga. Sentou e tocou. ALMAYALE BRASIL Presidente nenhum pode chegar com programa pronto para fazer governo. O que tem são linhas de atuação. E digo mais, a gestão moderna é feita por fluxo. Acho mais ainda, em alguns casos, a imprensa vem se configurando num oposicionismo Alguns jornais estão claramente se opondo ao governo Isso desmonta o convencionalismo. O que eu falava: a motivação de aceitar o convi- te. O significado de alguém como eu no Ministé- rio . Ainda que surpreendente por um lado, é es- perado que eu dê o tom, que utilize "provoca- ções" desse tipo. Alguns artistas se impacientam com o governo. Boa parte chegou a se manifestar, Caetano, Chi- co. Como o senhor vê essa "desilusão"? Acho que não é uma desilusão. No caso de Caeta- no, não é integralmente, no significado da quei- xa. Porque o próprio Caetano era enfático no di- zer "não devemos esperar demasiado, as expec- tativas estão acima da possibilidade humana de atendimento". O presidente Lula chegava com uma aura, por ser historicamente a primeira vez em que a eterna oposição às elites, a cha- mada esquerda, chegava ao poder. Portanto, depositários de uma expectativa enorme. Então, a queixa de muita gente é um pouco atenuada: "O que o presidente Lula pode fazer é um gover- no real, não um governo de sonhos." Tem outra questão. É um grupo que nunca fez alianças para governar, primeira vez que experimen- ta governar a máquina. Portanto, tem a inex- periência que deve ser descontada. Temos lá, claramente, esse sentimento. Agora estamos nos afeiçoando à máquina. Presidente nenhum no mundo pode chegar com programa pronto para fazer governo. Não existe isso. Não existiu no governo do presi- dente Fernando Henrique, no governo do pre- sidente Lula, no governo do presidente Bush. O que tem são linhas de atuação. Demandas sistematizadas, ou sistematizáveis em progra- mas, e você vai implantar no momento que to- ma conta da máquina. E digo mais, a gestão moderna não pode ser pautada unicamente pe- la visão cíclica. Ou seja, fazer o plano pluria- nual, qüinquenal. A gestão moderna é feita por fluxo. Claro que você tem que ter metas, mas 60, 70, 80% da energia tem que ser gasta na gestão por fluxo, na avaliação, a cada instan- te, de cada passo. No empirismo da ação. É um pouco assim. E para isso você precisa chegar, se acostumar, criar, treinar, capacitar as equi- pes de governo que estão lá. Claro que ainda você pode ter uma avaliação de desempenho: boa ou ruim. Descontados todos esses aspec- tos, não acho que no final a responsabilida- de por competência, etc. possa ser criticada demasiadamente como vem sendo. Acho mais ainda, em alguns casos a imprensa vem se con- figurando num oposicionismo. Alguns jornais estão claramente se opondo ao governo.
    Hide TranscriptShow Transcript

Get the app

Explore museums and play with Art Transfer, Pocket Galleries, Art Selfie, and more

Recommended

Google apps