Cartazes da Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo

Conheça um pouco da história da maior parada do mundo por meio de seus cartazes

Museu da Diversidade Sexual

Desde 1997, a Avenida Paulista, centro financeiro da cidade de São Paulo, tem sido palco da Parada do Orgulho LGBT+ que se tornou uma das maiores manifestações do gênero no mundo. O evento é um espaço de reivindicação de direitos, exercício da visibilidade e celebração de orgulho LGBT+. Certamente, ao longo das décadas, a Parada teve impactos culturais e políticos significativos e contribuiu para diversas conquistas da comunidade no Brasil. Essa exposição coloca em foco os cartazes produzidos ao longo dos anos para a divulgação de suas diferentes edições e é uma forma de contar a história da Parada. Mais do que meros registros pontuais de informações básicas - como data e local da realização de eventos -, quando olhamos em perspectiva, os cartazes constituem fonte rica de informação e fornecem pistas que permitem cotejar questões de amplo alcance. Nesse caso, o exercício de percorrer a trajetória da Parada por meio de seus cartazes ajuda a pensar sobre os processos de construção e reconstrução das agendas do movimento LGBT no Brasil.

Panfleto de divulgação da 1ª Parada do Orgulho GLT de São Paulo (1997-06-28)Museu da Diversidade Sexual

I Parada do Orgulho GLT

A I Parada do Orgulho GLT teve como slogan "somos muitos, estamos em todas as profissões", trazendo a ideia de que gays, lésbicas e travestis estavam "em todos os lugares".   

A manifestação foi realizada na Avenida Paulista, uma das principais vias da cidade de São Paulo, em 28 de junho de 1997, em comemoração ao Dia Internacional do Orgulho LGBT+.

Em sua primeira edição, a Parada reuniu por volta de 2 mil pessoas e foi organizada por diferentes grupos e associações:  ABGLT, CAEHUSP, Grupo CORSA, Grupo Expressão, GGL-PSTU, Mix Brasil e NGL-PT. Com apoio da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal e da Casa de Apoio Brenda Lee.

Arte da 2ª Parada do Orgulho GLT (1998)Museu da Diversidade Sexual

II Parada do Orgulho GLT

Embora não conste neste cartaz, o slogan da segunda edição da manifestação foi: “Os direitos de gays, lésbicas e travestis são direitos humanos”. O material de divulgação da II Parada do Orgulho GLT, realizada em 1998, trazia um balanço da edição anterior, ressaltando a grande visibilidade alcançada naquela ocasião e destacando uma das palavras de ordem entoadas na Parada de 1997: "Quero mostrar meu rosto, eu também pago imposto!".  

Naquela ocasião, apesar de a organização estar mais estruturada, inclusive, contando com o apoio de estabelecimentos voltados para a comunidade LGBT+ na cidade, o cartaz convidava quaisquer pessoas interessadas para participar dos processos organizativos da manifestação. 

Arte da 3ª Parada do Orgulho GLBT (1999)Museu da Diversidade Sexual

III Parada do Orgulho GLBT

A partir de sua III edição, em 1999, a Parada do Orgulho GLBT passou a ser organizada pela recém criada Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOGLBT).

Naquela edição cujo tema foi  “Orgulho gay no Brasil, rumo aos anos 2000”, o evento alterou o seu nome e passou a utilizar a sigla "GLBT", incluindo a letra a "B" em referência às pessoas bissexuais.

Arte da 4ª Parada do Orgulho Gay (2000-06-26)Museu da Diversidade Sexual

IV Parada do Orgulho Gay

Nessa edição, conhecida como a Parada da virada, a manifestação passou a ser realizada no domingo que sucede o feriado de Corpus Christi. 

A Parada passou a contar com o apoio de órgãos governamentais e da UNESCO. Naquele ano, pela primeira vez, além da Parada a organização montou uma programação que incluía a Feira Cultural, o Prêmio da Diversidade, entre outras atividades que compunham a "Semana do Orgulho".

Neste cartaz, a APOGLBT utilizou pela primeira vez a sua logomarca, representada por uma mão cerrada cujos anéis remetem a diferentes identidades sexuais e de gênero.

Cartaz da 5ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (2001-06-17)Museu da Diversidade Sexual

V Parada do Orgulho Gay

Em 2001, sob o tema "Abraçando a diversidade", a Parada levou às ruas cerca de 200 mil participantes, de acordo com a Polícia Militar de São Paulo.

Cartaz da 6ª Parada do Orgulho Gay de São Paulo (2002-06-02)Museu da Diversidade Sexual

VI Parada Orgulho Gay

A VI Parada do Orgulho Gay, de acordo com a Polícia Militar, reuniu 400 mil participantes. Naquele ano, a manifestação teve como tema o mote "Educando para a diversidade".

Cartaz da 7ª Parada do Orgulho Gay de São Paulo (2003-06-22)Museu da Diversidade Sexual

VII Parada do Orgulho Gay

Em sua VII edição, o tema da Parada foi a "construção de políticas homossexuais". Àquela altura, pela primeira vez, além do apoio institucional da Prefeitura de São Paulo e dos ministérios da Saúde e da Cultura, a Parada contou com o apoio de grandes empresas.

A VII Parada do Orgulho Gay reuniu cerca de 800 mil pessoas, de acordo com dados da Polícia Militar.

Cartaz da 8ª Parada de Orgulho Gay de São Paulo (2004-06-08)Museu da Diversidade Sexual

VIII Parada do Orgulho GLBT

"Temos Família e Orgulho" foi o tema da VIII Parada do Orgulho GLBT de São Paulo que reuniu 1,5 milhão de pessoas, segundo dados da Polícia Militar.

Cartaz do 9º Mês do Orgulho Gay (2005-05-29)Museu da Diversidade Sexual

IX Parada do Orgulho GLBT

Desde 2005, a programação de atividades elaborada pela APOGLBT  - debates, feira cultural, mostra de filmes, lançamentos de livros, etc. - deixou de concentrar-se ao longo de uma semana e passou a abranger um mês inteiro, denominado "Mês do Orgulho".

O tema "Parceria Civil já! Direitos iguais: nem menos, nem mais" norteou toda a programação do IX mês do Orgulho GLBT de São Paulo. O projeto de lei que previa a união civil de homossexuais, da então deputada Marta Suplicy, encontrava-se parado há mais de dez anos no Congresso Nacional. Somente em 2011 a união estável homoafetiva foi equiparada à união heterossexual, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Naquele ano, ao reunir 1,8 milhão de pessoas, de acordo com dados da Polícia Militar, a Parada consolidou-se como a maior manifestação LGBT do mundo.

Arte do 10º Mês do Orgulho GLBT (2006-06-17)Museu da Diversidade Sexual

X Parada do Orgulho GLBT

No X Mês do Orgulho GLBT, pela primeira vez a pauta da criminalização da homofobia foi o tema da Parada, sob o slogan "Homofobia é crime! Direitos sexuais são direitos humanos". 

Naquele momento, o PLC-122/06, que visava criminalizar a homofobia já estava em tramitação há algum tempo. Foi somente em 2019 que o STF equiparou a homofobia e a transfobia ao crime de racismo.

Cartaz do 11º Mês do Orgulho GLBT de São Paulo (2007-06-10)Museu da Diversidade Sexual

XI Parada do Orgulho GLBT

Na XI Parada do Orgulho GLBT, os participantes foram às ruas de São Paulo para lutar "por um mundo sem racismo, machismo e homofobia".

Cartaz do 12ª Mês do Orgulho GLBT de São Paulo (2008-05-28)Museu da Diversidade Sexual

XII Parada do Orgulho GLBT

"Homofobia mata! Por um Estado laico de fato" foi o tema do XII Mês do Orgulho GLBT de São Paulo.

Cartaz do 13º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo (2009-06-14)Museu da Diversidade Sexual

XIII Parada do Orgulho LGBT

A partir de 2009, a APOGLBT adotou o uso da sigla "LGBT", seguindo a deliberação da I Conferência Nacional LGBT, realizada no ano anterior. No XIII Mês do Orgulho LGBT os debates e reivindicações tiveram como tema principal "Sem homofobia, mais cidadania. Pela isonomia dos direitos!".

Cartaz do 14º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo (2010-06-07)Museu da Diversidade Sexual

XIV Parada do Orgulho LGBT

Em 2010, por ocasião das eleições estaduais e federais, o tema do XIV Mês do Orgulho LGBT de São Paulo foi "Vote contra a homofobia. Defenda a cidadania".   

De acordo com a organização, a Parada contou com a participação de 3 milhões de pessoas.

Cartaz da 15ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (2011-06-27)Museu da Diversidade Sexual

XV Parada do Orgulho LGBT

A XV Parada do Orgulho LGBT de São Paulo conclamou: "Amai-vos uns aos outros. Basta de homofobia!". 

Cartaz do 16º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo (2012)Museu da Diversidade Sexual

XVI Parada do Orgulho LGBT

"Homofobia tem cura: educação e criminalização" foi o tema principal do XVI Mês do Orgulho LGBT de São Paulo. Naquela edição, de acordo com dados da APOGLBT, compareceram por volta de 4 milhões de pessoas.

Nessa edição a Parada já se manifestava contra a proibição de doação de sangue por homossexuais, autorizada somente em 2020 pelo STF.

Cartaz da 17ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (2013-06-06)Museu da Diversidade Sexual

XVII Parada do Orgulho LGBT

Na XVII Parada do Orgulho LGBT, realizada em 2013, o tema que pautou as reivindicações foi "Para o armário nunca mais! União e conscientização na luta contra a homofobia".  

Cartaz do 18º Mês do Orgulho LGBT de São Paulo (2014-05-04)Museu da Diversidade Sexual

XVIII Parada do Orgulho LGBT

Em 2014, o XVIII Mês do Orgulho LGBT  teve como mote: "País vencedor é país sem homolesbotransfobia: Chega de mortes! Criminalização já!". No ano anterior, o PLC-122/06, que versava sobre a criminalização da homofobia, havia sido arquivado no Senado Federal.

Em razão da Copa do Mundo, sediada no Brasil, a Parada foi antecipada em cerca de um mês, sendo realizada no dia 04 de maio 2014. 

Cartaz da 19ª Parada de Orgulho LGBT de São Paulo (2015)Museu da Diversidade Sexual

XIX Parada do Orgulho LGBT

Em sua XIX edição a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo trouxe o seguinte tema: "Eu cresci assim. Eu nasci assim. Vou ser sempre assim. Respeitem-me!". Essa edição contou com um público de 2 milhões de pessoas, segundo dados da organização.

Cartaz da 20ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (2016)Museu da Diversidade Sexual

XX Parada do Orgulho LGBT

Em 2016, pela primeira vez a defesa de direitos transexuais e travestis foi o tema central da Parada: “Lei de Identidade de Gênero Já! Todas as Pessoas Juntas Contra a Transfobia". 

Posteriormente, em 2018, a OMS deixou de classificar a transexualidade como doença. No mesmo ano, o STF garantiu o uso do nome social as pessoas trans e travestis sem necessidade de cirurgia.

Cartaz da Parada de 21ª Orgulho LGBT de São Paulo (2017-06-18)Museu da Diversidade Sexual

XXI Parada do Orgulho LGBT

Na XXI Parada do Orgulho LGBT, o tema proposto foi: "Independente das nossas crenças nenhuma religião é lei. Todas e todos por um Estado laico".

Arte da 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (2018-06)Museu da Diversidade Sexual

XXII Parada do Orgulho LGBTI+

Em 2018, a exemplo do que ocorreu em 2010, as eleições e a representação política voltaram a ser abordadas pelo tema da Parada: "Poder para LGBTI+. Nosso voto, nossa voz!".

É importante destacar que a Parada  adotou nessa edição a sigla "LGBTI+", incluindo a letra "I" e o sinal de adição para representar e visibilizar as pessoas intersexuais e outras identidades não contempladas pela sigla LGBT.

Arte da 23ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo (2019-06)Museu da Diversidade Sexual

XXIII Parada do Orgulho LGBT

Visando o resgate histórico das lutas do movimento LGBT+ e a perspectiva sobre seus desafios, a Parada trouxe como tema os "50 anos de Stonewall. Nossas conquistas, nosso orgulho de ser LGBT+".

Em 2019, o evento foi exibido ao vivo - pelo canal de TV a cabo GNT e em oito canais do YouTube. De acordo com dados da plataforma YouTube, 40 milhões de pessoas assistiram à live da Parada.  

Arte da 1ª Parada Virtual do Orgulho LGBT de São Paulo (2020-06)Museu da Diversidade Sexual

XXIV Parada do Orgulho LGBT+

A XXIV Parada do Orgulho LGBT+, cujo tema é “Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossa Democracia!”, que aconteceria no dia 14 de junho de 2020, devido à pandemia de Covid-19 é realizada de forma virtual.

Credits: Story

Cartazes da Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo

Pesquisa e textos: João Filipe Cruz
Revisão: Leonardo Arouca

Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo - ONG APOGLBT SP
Claudia Regina dos Santos Garcia - Presidente
Renato Viterbo – Vice-Presidente
Diego Oliveira - Secretário
Neusa Maria de Jesus - Secretária
Silmara Souza Santos – Tesoureira
Gilson Rodrigues – Tesoureiro

Diretoria Adjunta - Willian Martins, Adriana da Silva, Ricardo Marchioro
Conselho Fiscal - Wagner Pires, Heide Oliveira
Conselho de Sócios Fundadores - Nelson Mathias, Reinaldo Damião

As imagens desta exposição fazem parte do Acervo da Associação da Parada LGBT de São Paulo (MDS)

Credits: All media
The story featured may in some cases have been created by an independent third party and may not always represent the views of the institutions, listed below, who have supplied the content.
Google apps